Cortinas e persianas

Artigos dão charme ao ambiente e são indispensáveis em empreendimentos hoteleiros

Itens essenciais na decoração, cortinas e persianas agregam várias funções em um ambiente, como controlar a luminosidade, garantir a privacidade, proteger móveis, pisos e tapetes do sol, dar um toque especial ao projeto de design e até complementar o conforto termo-acústico do local em que estão instaladas.

“A cortina e a persiana são algumas das peças mais importantes em projetos decorativos, pois emolduram as janelas. Elas não dão apenas charme ao ambiente em que são colocadas, mas também proporcionam privacidade, controle da luz que entra e aconchego. Em se tratando de hotelaria, para os dormitórios e salas as mais indicadas são as telas solares (rolo), as persianas de madeira (as de alumínio podem amassar facilmente e, por isso, devem ser evitadas) e as cortinas de tecido”, explica a sócia-proprietária da LSPedrosa+LTomasG Design e Arquitetura, Luciana Tomas Guersi.

São muitos os materiais existentes no mercado para a confecção de cortinas, entretanto um dos mais utilizados nos quartos dos hotéis é o voil 100% poliéster. De fácil manutenção, resistente ao sol e a lavagens, destaca-se pelo toque suave, caimento perfeito e acabamento delicado. Entretanto, por ser transparente, é recomendável que seja sobreposto à outra cortina feita com tecido blackout.

Além do voil, as cortinas podem ser feitas em seda – não é muito recomendada por ser pouco durável quando exposta ao sol e por possuir custo elevado -, linho – delicado, deforma facilmente, – veludo – pode proporcionar mais requinte ao espaço ou deixá-lo pesado -, e os rolôs, que normalmente são feitos com telas solares ou materiais sintéticos. Já as persianas podem ser de madeira, alumínio, material plástico ou fibras naturais.

“Nos quartos, geralmente os hotéis utilizam cortinas blackout, tecidos grossos e densos. Hoje o mercado oferece persianas bem elegantes, mais leves e que atendem o objetivo de quebrar 100% a luminosidade. Podem ser acompanhadas de tecidos sobrepostos mais leves. Nos demais espaços, como recepção e restaurante, ainda é comum também tecidos densos, mas que serão certamente substituídos por persianas e materiais mais leves”, explica a designer de interiores, Marta Alegretti.

Para o designer de interiores, Fábio Galeazzo, a tendência atual nesse segmento são as persianas feitas em materiais sintéticos com tratamento eletrostático, o que evita que a poeira fique depositada na trama. “Para as cortinas destaque também para os sintéticos que imitam as fibras naturais. São bonitas e possuem manutenção mais simples”.

A também designer de interiores, Adriana Scartaris complementa apontando tecidos tecnológicos e ecológicos (de fácil manutenção e baixo custo com excelente aparência); tecidos naturais, como linho e seda (nobres e com toque macio); propostas mais lisas, com menor quantidade de tecido tornando o conjunto mais leve. Cores neutras e que componham o ambiente. “Cortinas e persianas não devem ser o destaque do espaço”. Além disso, o cliente que tiver intenção de investir um pouco mais pode pensar na automação do projeto. No Grande Hotel Campos do Jordão – Hotel-escola Senac, localizado na região serrana de São Paulo, todos os 95 apartamentos possuem persianas automatizadas.

Instaladas no projeto de reforma geral do hotel, reinaugurado em 1998 como hotel-escola, o objetivo foi oferecer ao hóspede maior conforto e tranquilidade. “O comando de subir e descer é acionado por botões localizados próximos às janelas, no caso dos apartamentos com sacada, o botão fica ao lado da porta balcão”, explica a gerente geral, Graziela Zanin.

Além das persianas com efeito blackout, todos os quartos possuem cortinas como parte da decoração. “Nas salas do centro de convenções do hotel e no restaurante Araucária as cortinas utilizadas são de tecido e também têm função blackout”, completa.

Modernizações
Com o objetivo de oferecer ainda mais conforto aos hóspedes, o Vale Suíço Resort, localizado em Itapeva (MG), realizou um grande projeto de modernização em todas as suítes de categoria Master. Entre as modificações, destaque para a renovação de toda a mobília, lustres, aparelhos de ar condicionado, televisores de LCD e cortinas. Um projeto que demandou investimentos de R$ 50 mil em cada quarto. Especificamente para as cortinas foram investidos R$1,1 mil por uh, como conta a designer responsável pelo projeto, Marcela Scott. “Os tons de bege, o branco e a madeira freijó formam a composição utilizada na revitalização das suítes. Por serem tons neutros, sóbrios e atemporais foram usados sem preocupação na decoração já que transmitem sensação de conforto, classe e trazem aconchego a qualquer ambiente. Para que o espaço ficasse ainda mais aconchegante, trocamos as cortinas mais vibrantes pelo conjunto blackout e tecido. Nesse caso, usamos o Gorgurinho 40% de algodão e 60% de poliéster em trilho suíço. Os materiais escolhidos possuem fácil manutenção e a lavagem é realizada periodicamente no próprio hotel”.

O Novotel São Paulo Jaraguá Conventions, na capital paulista, também realizou mudanças recentemente. A principal delas está no acompanhamento das tendências do mercado, como conta o gerente geral da unidade, Luis Rossi. “Antes tínhamos três tipos de cortinas: blackout, voil e decorativa. Hoje temos as três em uma só. As cores seguem o padrão do conceito NEXT da marca Novotel: amarelo, azul e vermelho mescladas com marrom, que dão um ar descontraído e elegante aos apartamentos. Podemos dizer, portanto, que mudamos o padrão. Antes tínhamos um produto mais pesado e agora optamos por cortinas coloridas, feitas com materiais mais leves, fáceis de limpar e com a mesma função”.

Para Antonella Zonta Schurmann, proprietária da Praia do Estaleiro Guest House Residence, em Balneário Camboriú (SC), as cortinas de um quarto de hotel são essenciais para complementar a decoração e deixá-lo mais aconchegante. “Além dos itens produzidos com tecidos leves temos os blackouts, que permitem escurecer o ambiente. Além dos quartos, temos cortinas em várias das nossas áreas comuns, o que garante maior sensação de conforto aos hóspedes”, afirma.
Dicas de limpeza

Segundo Danilo Volante, diretor da Câmara de Fabricantes de Equipamentos, Acessórios e Dosadores da Associação Brasileira do Mercado de Limpeza Profissional (Abralimp), para limpeza de persianas e cortinas, o correto é eliminar o pó para não ter acúmulo de sujidades. Para isso, indica-se a utilização do espanador eletrostático que retira o pó sem espalhá-lo pelo ambiente, prevenindo doenças e prejuízos às instalações e equipamentos.

A limpeza eficiente está atrelada ao tipo de material da persiana ou da cortina. Quando a sujidade já está impregnada, recomenda-se a utilização de um detergente neutro para a limpeza. Uma dica valiosa é orientar a camareira a espanar as persianas toda vez que for limpar a suíte para o próximo hóspede. Com isso, as partículas soltas que ali estiverem serão eliminadas e não haverá necessidade da utilização de produtos químicos.

Outra dica importante é em relação à periodicidade da limpeza. Quando a persiana ou a cortina é utilizada em uma janela blindada, ou seja, apenas para bloqueio de luz, ela carece de menos limpeza do que aquelas que estão instaladas à frente de uma janela com ligação para a rua. Os dois casos requerem atenção, porém, aquelas que recebem o ar da rua, consequentemente, ficam sujas mais rapidamente.

Deixe uma resposta