Perfil da chef Bel Coelho

Bel Coelho inaugura segunda temporada do Clandestino no Dui

Com apenas 31 anos e uma bagagem adquirida ao lado de nomes como Laurent Suaudeau e Alex Atala, Bel Coelho vai construindo uma carreira de sucesso entremeada com incursões internacionais. O estilo da cozinha, definida como contemporânea, começou a ser talhado em Nova York, onde buscou aprofundar os conhecimentos no Culinary Institute of America (CIA) e Payard, e ganhou reforço com atuações em casas como D.O.M., Madelleine, Sabuji e Buddha Bar, no Brasil, e El Celler Can Roca, na Espanha. O primeiro desafio como empreendedora veio com a abertura de um bufê, mas é no comando do Dui, inaugurado há três anos como resultado de uma parceria com o restaurateur Cristiano Almeida, que a chef deposita sua aposta em uma gastronomia mais inspirada e despretensiosa.

O nome Dui foi tirado do oráculo chinês I Ching e significa “alegria, conversa prazerosa e convivência à mesa”. Com essa proposta, a casa faz sucesso pelo ambiente descontraído e decoração leve, em que se destacam cortinas, paredes coloridas e um mobiliário que remete às décadas de 60 e 70. A partir do jardim, no térreo, ou de qualquer outro ângulo do salão envidraçado se pode ver a cozinha, equipada com marcas top em utensílios gourmet, e que privilegia um cardápio produzido a partir de ingredientes brasileiros. “O Brasil tem tido papel cada vez mais importante na gastronomia internacional, por iniciar um regaste importante e significativo de sua história gastronômica e valorização de seus próprios ingredientes. Acredito, ainda, que os nossos profissionais também estejam evoluindo e isso passa a ter uma importância maior no cenário internacional”, revela.

A operação regular do Dui foi reforçada há dois anos com a instalação do Clandestino, um salão localizado no primeiro andar do restaurante, que abriga grupos de no máximo 15 pessoas e tem o funcionamento restrito às quintas-feiras, somente no horário do jantar e sempre mediante reserva prévia.

A ideia surgiu dos pequenos eventos que a chef já promovia em casa ou na residência de amigos. Para esse público seleto, a casa oferece um menu-degustação de 12 tempos em que Bel imprime técnicas modernas como esferificação e cozimento lento ou a vácuo. Deste menu saem receitas como o ovo em baixa temperatura com espuma de feijão preto, farofa, caviar de quiabo e couve crispy ou a coxinha líquida, além de tapas e sobremesas inusitadas como o doce de abóbora com sorvete de queijo ou a geleia de cachaça e caramelo de cravo e canela.

Deixe uma resposta