A grande dama de Bangkok

Mandarin Oriental completa 140 anos de história

Em meados do século 19, quando a Tailândia ainda era conhecida como Siam, uma casa de repouso para os marinheiros estrangeiros foi erguida nas margens do rio Chao Phraya, que atravessa a cidade. Tempos depois, ele se tornou um dos hotéis mais sofisticados e desejados – o The Oriental.  O edifício histórico ainda preserva a fachada original e, atualmente,  é chamado de Authors´Wing (Ala dos Autores)Poucos hotéis no mundo colecionam tantas histórias e são tão elegantes como o icônico Mandarin Oriental Bangkok. Há 140 anos, o hotel é símbolo de hospitalidade e excelência de serviço e, carinhosamente, é chamado pelos tailandeses de “A Grande Dama”.

Em 1958, houve a primeira expansão e o empreendimento ganhou um novo prédio de dez andares, o Garden Wing (Ala do Jardim), além do restaurante francês Le Normandie, no último andar. Somente na década de 1970, outro edifício foi construído, o River Wing (Ala do Rio), totalizando mais de 350 apartamentos no hotel.

Muitos hóspedes ilustres passaram por lá ao longo dos anos: de estrelas de cinema, políticos e membros da realeza a célebres nomes da literatura internacional, como Joseph Conrad, Graham Greene, Noel Coward e Somerset Maugham, que encontraram no hotel o lugar para escrever seus romances.

Hospitalidade tailandesa

Com ares de resort, a propriedade é um refúgio na agitada Bangkok. Suas instalações ocupam as duas margens do rio. De um lado estão os prédios principais, piscinas e restaurantes. Do outro ficam o spa, a escola de culinária, fitness center, quadras de tênis e a Sala Rim Naam – restaurante especializado na culinária local que, todas as noites, oferece show de dança clássica tailandesa. Para a travessia, o hotel disponibiliza charmosos barcos que circulam o dia inteiro.

Ao entrar no hotel, os hóspedes são envolvidos com o delicioso aroma de capim-limão e recepcionados pelos funcionários com um simpático “sawasdee” – tradicional saudação de boas-vindas com as mãos unidas no peito e um singelo sorriso. Os primorosos arranjos de flores que compõem a decoração do lobby são trocados a cada estação do ano.

Combinando a elegância contemporânea com elementos tailandeses, os 324 quartos e 44 suítes são espaçosos e confortáveis. Detalhes não passam despercebidos, como o papel de carta timbrado e personalizado com o nome do hóspede escrito em dourado, docinhos e chá gelado servidos todos os dias nos apartamentos e o mordomo em cada andar pronto para ajudar.

O hotel conta com oito restaurantes de diversas especialidades, de francesa a tailandesa, passando pela italiana e chinesa. O tradicional e concorrido chá da tarde acontece no Authors´ Lounge, enquanto no Bamboo Bar, a pedida é degustar os criativos drinques ao som da banda de jazz que se apresenta todas as noites.

Ao se hospedar no Mandarin Oriental é imprescindível reservar um dia para ficar no hotel e desfrutar das atividades oferecidas. Comece com a aula de culinária tailandesa, no The Oriental Thai Cooking School, que acontece somente no período da manhã. Em seguida, experimente uma das terapias no conceituado The Oriental Spa, e deixe o resto da tarde para curtir as deliciosas piscinas.

Renovação

O hotel comemora seus 140 anos com a conclusão das obras de renovação. O projeto contemplou a reconfiguração das acomodações, criando 12 suítes com varanda, na Ala do Jardim, e outras duas, na Ala dos Autores.

Em uma área de 600m2, que ocupa todo o primeiro andar da ala dos Autores, as duas suítes, Ambassador e Royal, juntas formam a maior suíte presidencial da cidade – a Grand Royal Suíte. Com acesso por elevador privativo, a acomodação dispõe de seis quartos, salas de estar e jantar, cozinha, sala de reunião e um agradável lounge em estilo vitoriano com teto de vidro.

Deixe uma resposta