Um toque de brasilidade

O jeitinho brasileiro que encanta turistas do mundo todo

Entre os diversos benefícios que uma viagem pode proporcionar, entrar em contato com a cultura local e desfrutar de suas particularidades são alguns dos mais atrativos e prazerosos. O Brasil é rico nesse quesito. Partindo da culinária, tão diversificada e, muitas vezes, exótica, até a música popular internacionalmente conhecida, ou as danças folclóricas típicas de cada estado.

Toda manifestação da brasilidade precisa ser valorizada, ainda mais com os grandes eventos que acontecerão por aqui e que trarão milhares de estrangeiros ávidos por novidades. “As pessoas viajam a procura do contraste, da diferença. A oferta de produtos e serviços importados, se por um lado atende a um padrão que o turista internacional está habituado e procura, por outro leva a uma descaracterização do que é aquela localidade”, afirma a coordenadora do curso de Hotelaria da Universidade Anhembi Morumbi, Karin Decker.

Para a profissional, é possível receber este turista valorizando os produtos tipicamente brasileiros e atendendo com serviços nacionais que mostrem que também somos capazes de oferecer qualidade. “Desta forma, iremos não só atender às necessidades do nosso hóspede, mas, especialmente, encantá-lo. Seguramente, criaremos uma motivação para que ele volte”, completa.

O presidente da Federação Brasileira de Hospedagem e Alimentação (FBHA), Alexandre Sampaio, ratifica a afirmação de Karin e diz que há muito tempo parte significativa da hotelaria nacional, principalmente resorts, tem apostado em uma atmosfera bem brasileira e de sua região para destacar diferenças e ressaltar seu caráter local, mesmo sendo alguns deles de cadeias internacionais. “Diríamos que esta é uma tendência que deve se expandir com o crescimento do parque hoteleiro e que tem como objetivo passar uma experiência única para aquele hóspede durante sua estada, de convívio em um ambiente diferenciado e integrado à natureza”, afirma. “Culinária típica, arquitetura harmônica com o entorno e vestimenta customizada do staff ajudam nesta percepção do cliente quanto a uma vivência singular”, complementa Sampaio.

Já Patrick Vaysse, da Vaysse Consultoria, acredita que é necessário mesclar os dois mundos, uma vez que os serviços podem se tornar uma frustração se os princípios básicos de atendimento não forem executados profissionalmente. “Por exemplo, se o estrangeiro não for recebido em um nível de inglês aceitável”, afirma.

O consultor considera a integração da cultura brasileira muito importante nas diferentes sequências e etapas necessárias para a elaboração de um excelente serviço. “Ingredientes como o sorriso, a vontade de atender bem e a generosidade são componentes do DNA do brasileiro. Apenas falta aportar um nível maior de execução técnica nos processos estabelecidos. O Brasil possui um diferencial importante em comparação a outros países: a quantidade de mão de obra é grande, mas a quantidade de pessoas altamente qualificadas ainda é reduzida”, avalia.

Quando o assunto são os produtos, Vaysse diz que os hotéis devem integrar elementos da cultura e da arte brasileira, como um convite para que os clientes entendam melhor o entorno cultural do Brasil. “Um quarto confortável, contemporâneo, tecnologicamente atualizado, integrando a um toque regional vai com certeza emocionar os clientes nacionais e internacionais”.

O que tem por aí

É evidente que os grandes eventos esportivos representam uma oportunidade incondicional de posicionar o Brasil como um ‘país destino’ repleto de diferenciais, mas os empreendimentos não devem focar seus esforços apenas nesse momento, como conta Karin Decker. “Não podemos pensar apenas no agora. Explorar os aspectos diferenciais e diferenciadores da brasilidade com qualidade e seriedade na prestação de serviços em uma serena continuidade cotidiana nos tornará efetivamente competitivos frente aos destinos turísticos internacionais”.

É o que faz um ícone da hotelaria nacional, o Copacabana Palace, no Rio de Janeiro. Os mimos começam no quarto, com os amenities diferenciados que incluem docinhos, como cajuzinho, brigadeiro e pé de moleque, biscoito Globo (marca muito conhecida no Rio), mate e chinelo Havaianas. “Frutas brasileiras podem ser encontradas todos os dias no café da manhã. Utilizamos muito também em nossas caipirinhas”, diz a diretora-geral do hotel, Andréa Natal.

Na tradicional piscina, ou na praia em frente ao hotel, muita água de coco é servida pelos carismáticos garçons vestidos com aventais estampados com o desenho do calçadão de Copacabana, também encontrado nas almofadas que dão um charme todo especial à área de lazer.“Para os hóspedes estrangeiros temos aulas de samba e muita música brasileira, na área da piscina e também nos iPods que ficam à disposição dos clientes no spa e na academia”, explica Andréa.

E por falar no spa, os profissionais do AyaSpa utilizam produtos nacionais orgânicos vindos da Amazônia nos tratamentos. “Entre os destaques está uma massagem esfoliante feita com açúcar mascavo, guaraná e açaí. Bem brasileiro, não é”, brinca a diretora.

Outro hotel carioca que investe no tema para promover a cultura local agregada à qualidade de serviço e alto padrão de treinamentos da rede é o JW Marriott Rio de Janeiro, que em 2013 promoveu um grande processo de renovação no lobby do hotel, o maior da história da propriedade, em que tornou o espaço mais dinâmico e interativo. “Uma das missões do espaço foi ganhar mais identidade brasileira. Não à toa o recém-lançado Restaurante Lounge Bar foi batizado com o nome ‘The Carioca’”, explica a gerente-geral do hotel, Rosana Okamoto.

Outro hotel carioca que investe no tema para promover a cultura local agregada à qualidade de serviço e alto padrão de treinamentos da rede é o JW Marriott Rio de Janeiro, que em 2013 promoveu um grande processo de renovação no lobby do hotel, o maior da história da propriedade, que tornou o espaço mais dinâmico e interativo. “Uma das missões do espaço foi ganhar mais identidade brasileira. Não à toa o recém-lançado Restaurante lounge-bar foi batizado com o nome ‘The Carioca’” explica a gerente-geral do hotel, Rosana Okamoto.

Comandado pelo chef Ramiro Bertassin, o cardápio foi desenvolvido promovendo releituras de clássicos da gastronomia priorizando insumos brasileiros e, em especial, do Rio de Janeiro. “Depois de muitas andanças pelos principais espaços gastronômicos e points badalados da cidade, Ramiro se reinventou e se tornou um típico carioca. O queijo coalho, hit das praias, é servido com geléia de cachaça. Ainda nos petiscos, o croquete de pupunha é bem levinho e uma ótima pedida para o happy hour”, garante a gerente.

Além da gastronomia, o hotel investiu também no uniforme do capitão porteiro e dos associados que trabalham no The Carioca, todos inspirados no sambista carioca, com a tradicional camisa listrada em preto e branco. No caso específico do capitão porteiro, o terno e gravata foram substituídos por paletó branco e chapéu panamá. O material gráfico do The Carioca utiliza imagens de pontos turísticos da cidade, como Calçadão de Copacabana, Cristo Redentor e Pão de Açúcar, e os porta -copos são colecionáveis, possibilitando que os hóspedes levem uma recordação bem típica do Rio de Janeiro. “Acredito que ações como essas, além de focarem no alto padrão em qualidade dos nossos serviços, são muito importantes para promover uma experiência regional, oferecendo o que a nossa Cidade Maravilhosa tem de melhor”, completa a gerente.

Outro que aposta na culinária brasileira para atrair os hóspedes é o Grand Hyatt São Paulo, que inaugurou recentemente o C–Cultura Caseira, seu mais novo restaurante localizado no lobby em substituição ao Grand Caffè, que encerrou as atividades em novembro passado. Inspirado na herança gastronômica brasileira, o cardápio apresenta uma cozinha que pretende resgatar memórias emocionais e afetivas através dos sentidos. Entre os diferenciais estão fornecedores minuciosamente selecionados.

A casa tem a preocupação de escolher produtores locais e produtos orgânicos, como o café coado que é servido no restaurante e bar, prezando pela sustentabilidade e saudabilidade do planeta, das pessoas e da economia local; parte da filosofia de Alimentos & Bebidas da rede Hyatt. Além disso, as cerâmicas utilizadas são assinadas pelo atelier Muriqui, de Ibiúna (SP), as peças decorativas são de artesãos locais, e o design do restaurante foi projetado pelo renomado arquiteto brasileiro, Arthur Casas. Os apartamentos contam ainda com amenities de banho da marca brasileira Granado.

“O Grand Hyatt São Paulo acredita que oferecer aos hóspedes uma experiência autêntica, que realmente os aproximem da cultura local que estão visitando, valoriza a indústria nacional, impulsiona a produção e traz reconhecimento, desenvolvendo o entorno e provendo produtos variados e de qualidade. O Brasil tem uma cultura muito rica com ingredientes únicos, tanto para a gastronomia como para a produção de cosméticos e artesanato, e produtos típicos que nos fazem reconhecidos no exterior, fazendo com que o hóspede aprecie ainda mais o que ele vivencia conosco”, diz o diretor-geral do empreendimento Thierry Guillot.

No Fasano São Paulo, a equipe oferece brigadeiro, amenities com essências brasileiras, salgadinhos doces, água de coco como itens que remetem à cultura do País. Além disso, o hotel procura sempre desenvolver algo típico do Brasil em datas especiais, como paçoca e doces em época de festa junina, itens de diversão como máscaras no carnaval etc, tudo acompanhado de informações, o que proporciona a oportunidade do público estrangeiro conhecer melhor a cultura brasileira e se sentir bem acolhido. No Rio de Janeiro, os brigadeiros também estão presentes, assim como o famoso biscoito Globo, água de coco e frutas frescas da estação.

Ainda no sudeste brasileiro, os hotéis de Monte Verde, em Minas Gerais – estado famoso pela culinária tradicional -, também procuram criar ações para promover a brasilidade e cativar o público. O hotel Cabeça de Boi, por exemplo, já conta com menu típico mineiro repleto de pratos feitos em forno a lenha. “Para o período da Copa do Mundo vamos contratar shows de artistas locais. Tudo para mostrar um pouco da nossa cultura e valorizar ainda mais o nosso destino”, conta Gustavo Arrais, proprietário do hotel.

A Pousada Spa Mirante da Colyna acredita que o público que frequenta Monte Verde está focado na culinária local, por isso está reformulando o cardápio. “Vamos introduzir um prato típico da culinária mineira, acompanhando nossa tradicional cachaça brasileira”, afirma o proprietário da pousada, Luis Gustavo Cuadra de Almeida.

Com café da manhã farto em frutas tropicais, a Pousada Águia Dourada procura valorizar os produtos nacionais. “Entre outros produtos, trabalhamos com amenities com aromas de frutas brasileiras, como o maracujá e a pitanga”, explica o proprietário Marcos César Cuadra de Almeida. Já a Pousada Suíça Mineira trabalha com café mineiro, da cidade de Machado e presenteia os hóspedes com biscoitos caseiros tipicamente da região. “Queremos sempre proporcionar ao cliente um ambiente totalmente mineiro e acolhedor”, diz o diretor do empreendimento, Diego Lopes.

Os sabores e a cultura do Nordeste também são valorizados pelos empreendimentos. Localizado em Trancoso, na Bahia, o Uxua Casa Hotel & Spa celebra o Brasil e a cultura brasileira em diversos aspectos. Suas 11 casas seguem o tradicional estilo arquitetônico do sul do estado, sendo que quatro delas eram originalmente moradias de pescadores que foram restauradas. “Acreditamos que a culinária é uma ótima forma de conhecer um lugar e uma cultura. Nossos dois restaurantes e a gelateria valorizam a gastronomia local, com ingredientes típicos e respeito às tradições”, diz Wilbert Das, designer e proprietário do hotel.

Isso também acontece com os produtos do spa, feitos com ingredientes da região, e na reutilização de materiais locais, como barcos de pesca que foram transformados em espreguiçadeiras do beach lounge. “O atendimento do hotel é feito no caloroso estilo baiano. Também patrocinamos aulas de capoeira de um grupo que ensina essa arte para 65 crianças, tudo para valorizar o que a cultura brasileira tem de melhor e preservar suas riquezas”.

Em Recife (PE), o Nobile Beach Class Executive orgulha-se das peças decorativas que ostenta nas áreas sociais. Todas produzidas por artesãos pernambucanos, na sua maioria em madeira e barro. Já nos apartamentos há fotografias que apresentam aos hóspedes elementos da cultura popular, como peões de madeira, bonecos de barro (tradicionais de Caruaru); e quadros de cerâmica rústica – material muito comum no artesanato do Estado. “Além disso, os nomes dos nossos salões de eventos homenageiam danças típicas do Estado, como Frevo, Ciranda, Caboclinho e Maracatu”, diz a gerente-geral do hotel, Danielle Soares. Para o período da Copa do Mundo, a profissional conta que vão incluir mais temas regionais no café da manhã para apresentar a esses hóspedes um diferencial. “Nossa pretensão é fidelizar o cliente para o pós-Copa”.

Já o Getúllio Hotel By Nobile, em Cuiabá (MT), pretende proporcionar alguns mimos para os hóspedes, como deixar balas de banana nos quartos e dar dicas do que fazer na cidade durante o dia e a noite. “Estamos negociando com uma revista local que foca no turismo do nosso Estado e deixaremos um exemplar em cada apartamento. Queremos proporcionar momentos inesquecíveis para os nossos hóspedes com segurança e tranquilidade”, conta Cristina Grunwald Haraoui de Souza, diretora do empreendimento.

Em Santa Catarina, o Plaza Itapema Resort & Spa tem como objetivo aproximar a cultura e a comunidade local dos centenas de turistas que chegam todo os dias. Para isso, promove apresentações artísticas em homenagem à rica cultura catarinense. No mínimo uma vez por semana, durante o verão, os hóspedes têm a oportunidade de assistir shows de danças típicas e coreografias contemporâneas realizadas por grupos regionais reconhecidos e premiados em grandes festivais, entre os quais o de Dança de Joinville, considerado o maior do mundo na sua categoria.

“O Itapema tem orgulho de contribuir assim para a difusão da cultura, da dança, da música e do teatro locais para julgar que um meio de hospedagem sempre reúne visitantes de várias regiões do País e do exterior que gostariam de se inteirar especialmente da cultural local, e levar para casa mensagens novas e especiais. Um hotel não é só um lugar para as pessoas dormirem, comerem e se divertirem, mas também uma forma de promover a região”, afirma Carlos Higgie, gerente do empreendimento.

Deixe uma resposta