Tapetes de sisal

DIVERSIDADE DE CORES E TRAMAS AMPLIA OPÇÕES DE DECORAÇÃO

No ano internacional das fibras naturais, os tapetes de sisal ganham espaço nos mais variados tipos de ambientes internos. Esbanjando cores, formatos e texturas, inspiram arquitetos e designers de interiores na criação de diferentes propostas de decoração.

“A versatilidade deste material amplia as opções de uso. Os tapetes de sisal são muito adequados para meios de hospedagem de selva, pousadas e, dependendo do conceito do hotel, dão o requinte esperado em um empreendimento de luxo”, opinam as designers de interiores Carla Adachs e Juliana Ramos, com escritório em Salvador (BA). Ressaltam que, “sendo de fibra natural, são indicados para pessoas alérgicas, além de ser fácil a manutenção”.

A arquiteta Isabela Lima Viana, também de Salvador, acrescenta que, nos últimos anos, “os tapetes de sisal também são confeccionados em composições com outras fibras, como lã, algodão e seda, possibilitando mais opções de uso na decoração”.

Produtos de sisal são típicos na região do semi-árido brasileiro, sobretudo no Nordeste da Bahia, pois, sobrevivendo à seca, o cultivo do vegetal tornou-se a base de sustentação econômica mais expressiva da área rural. Foi a mobilização desses trabalhadores que originou, em 1980, a fundação da Apaeb (Associação de Desenvolvimento Sustentável e Solidário da Região Sisaleira), que tem por finalidade promover o desenvolvimento socioeconômico sustentável na região, envolvendo o cultivo, beneficiamento e comercialização de uma série de produtos.

A principal fonte de recursos são os tapetes e carpetes de sisal, comercializados através da Valente Tapetes e Carpetes de Sisal, que fornece para todas as regiões brasileiras e exporta, principalmente, para a Europa e os Estados Unidos.

Ismael Ferreira de Oliveira, diretor-executivo da entidade explica que a indústria possui modernos teares. Grande parte da produção é exportada e o mercado brasileiro vem crescendo a cada ano. São Paulo desponta como maior Estado consumidor. Em sua opinião, a proclamação de 2009 como o ano internacional das fibras naturais, sob a coordenação da FAO (Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação), incentiva a divulgação do produto. Mais informações: www.apaeb.com.br.

Deixe uma resposta