Som ambiente

QUALIDADE VINCULA-SE À INSTALAÇÃO ELÉTRICA E AOS EQUIPAMENTOS UTILIZADOS

No Brasil, não há normas técnicas específicas sobre instalação de som ambiente. Para suprir essa ausência, alguns empreendimentos observam referências do exterior. No entanto, geralmente, prevalece o bom senso e o histórico dos instaladores. Também inexiste um padrão que conceitue o conforto acústico de ambientes. A questão ainda é vista de forma muito binária: é ou não bom e isso é muito relativo.

Os empreendimentos precisam, apenas, obedecer às normas técnicas de instalação elétrica da Associação Brasileira de Normas Técnicas, ABNT 5010 e as complementares referentes aos equipamentos, informa o engenheiro Alberto José Fossa, diretor da Abrinstal (Associação Brasileira pela Conformidade e Eficiência de Instalações). Ele ressalta que, para a indústria e os prestadores de serviços, seria mais confortável que existissem normas técnicas de sonorização ambiental, pois teriam um referencial de como se comporta a instalação com determinados equipamentos, segundo estudos científicos constatados.

Ressalta que o uso racional da energia elétrica mobiliza o mundo. Atualmente, sob os cuidados de grupos de estudos da ISO (International Standard Organization), está sendo elaborada a primeira norma internacional sobre o tema, visando alertar organizações e pessoas sobre a eficiência e a performance energética. Os equipamentos de sonorização não são considerados grandes filões em termos de consumo, mas é comum ocorrerem desperdícios. Para evitá-los, o cabeamento, os disjuntores, os fusíveis e demais itens da instalação elétrica devem ser de boa procedência e dimensionados para suportar as cargas requeridas, observando as normas da ABNT.
Alberto acrescenta a importância de executar instalações adequadas para garantir a segurança dos usuários, da edificação e dos próprios equipamentos.

Projeto acústico

O som é a alma do DPNY Beach. No litoral norte paulista, em Ilhabela, o empreendimento atende a um público que tem como prioridade se hospedar para vivenciar a programação musical do hotel. A acústica foi projetada para oferecer house music, seleção que é produzida por DJs residentes e pelo proprietário Wolfgang Napirei.

Octavio Brito, da AMI Internacional, desde o início, participa deste processo e descreve como foi equacionada a instalação. Conta que a exigência do cliente define a diretriz do projeto. No caso, o hotel de luxo, em uma praia maravilhosa, queria música das 8h às 4h da madrugada, para atender seu público. De manhã, o sistema de som tem de habilitar imediatamente, com volume baixo, somente para uma área. A partir das 11h, começa em outra área. À noite, o cliente pode sair da boate e, na praia, tem a mesma impressão sonora, podendo dançar. Ou seja, o hóspede transita de um ambiente para o outro, sempre ouvindo uma música de qualidade. Se a pessoa está no restaurante, o som está mais baixo do que ao ar livre.

Em qualquer hotel, o som deve ter uma qualidade excepcional, no aspecto musical, cujo volume varia de um lugar para o outro. O timbre tem de ser igual, ter a mesma qualidade, e quando a pessoa fala, todas as palavras devem ser ouvidas – a música não pode prejudicar a comunicação entre as pessoas.

Geralmente, os hotéis têm palestra em uma sala e música na área recreativa, bar ou restaurante. O projeto de sonorização, leva em conta cada um desses ambientes. É medido o nível de volume, a qualidade do som e inteligibilidade (capacidade de entender o que está sendo dito). Neste último aspecto, é tratada a resposta pela frequência. Por exemplo: na recepção e no bar pode estar tocando a mesma música, mas no bar tem um pouco mais de volume e na recepção é apenas audível. Além disso, o som do hotel deve ter qualidade para a transmissão de aviso, em qualquer local, a música ambiente agradável não vaza para o exterior, não há dispersão do alto-falante.

O ser humano não distingue o som de maneira técnica. O importante é desenvolvê-lo de tal forma que o ouvinte fique encantado. Um aparelho pode emitir um som perfeito, exclusivamente, em termos técnicos, mas o que define se o som tem qualidade é como ele é percebido pelas pessoas.

No Brasil, ainda não existe esse hábito de trabalhar com projeto para a música ambiente. A AMI elabora projeto acústico total, criado no ambiente virtual do computador para medir o que vai acontecer no ambiente real, finaliza Octávio.

Deixe uma resposta