Hotéis históricos mantêm a atmosfera do passado

Paredes de tijolos centenários abrigam tecnologias modernas

Parte da biografia do local onde está situado, o hotel histórico proporciona um mergulho no passado, uma experiência para quem procura por sensações e sentimentos diferenciados na hora da hospedagem, mas claro, sem perder os benefícios que a modernidade oferece, como tecnologia, conforto e segurança.

Para Caio Calfat, diretor da Caio Calfat Real Estate Consulting, falar em hotéis históricos é muito relativo. “Devemos separar aqueles hotéis antigos, como os localizados em centros históricos – como no Pelourinho (BA) ou em Ouro Preto (MG), que são muitos -, dos históricos emblemáticos, empreendimentos arrojados e que realmente fizeram a diferença na trajetória da hotelaria do Brasil e do mundo”, explica.

Entre os empreendimentos citados pelo diretor estão o Copacabana Palace, no Rio de Janeiro. “Este é sem dúvida a maior referência na hotelaria brasileira, foi o responsável por impulsionar a expansão urbana do bairro carioca”, diz Calfat. Construído por Octávio Guinle em 1923, com projeto do arquiteto francês Joseph Gire, o empreendimento foi inspirado nos hotéis Negresco, em Nice, e Carlton, em Cannes, e se tornou um símbolo da cidade em todo o mundo. Adquirido da família Guinle pelo grupo Orient-Express Hotels, em 1989, o Copacabana Palace foi tombado pelo Patrimônio Histórico Nacional.

Atualmente, o hotel passa por uma extensa reforma no prédio principal, que deve ser concluída em dezembro deste ano. No entanto, a primeira etapa de obras foi entregue em setembro e compreendeu a remodelação e ampliação do lobby em 80% de sua área e a modernização de apartamentos e suítes do prédio principal, que estão funcionando em regime de soft opening.

Com suas paredes em mármore travertino e escadaria em mármore de carrara, originais da época da inauguração, o lobby do hotel–símbolo do Rio de Janeiro passou a ter 200m² e dois mezaninos. Na área onde funcionava a gerência da recepção, o teto original, anteriormente escondido por gesso, foi redescoberto e preservado em sua originalidade. “Sempre respeitando a arquitetura original, renovamos o lobby somando a tradição de seus quase 90 anos de história a alguns toques de modernidade, como a tela de aço que agora envolve o lustre central, dando uma roupagem mais contemporânea àquela linda luminária”, frisa a gerente-geral, Andrea Natal.

Outro hotel no Rio de Janeiro citado pelo diretor é o Glória, adquirido pelo grupo EBX, de Eike Batista, em 2008 e que vem passando por uma total revitalização. “Certamente, após a reforma este hotel ficará um espetáculo, talvez seja o melhor do Brasil”, aponta o diretor. Inaugurado em 1922 a pedido do então presidente da República Epitácio Pessoa para sediar o Primeiro Centenário da Independência do Brasil, o empreendimento que passará a se chamar Gloria Palace Hotel tem projeto de reforma assinado pelo arquiteto Hamilton Casé e de design e interiores desenvolvido pelo americano Jeffrey Beers.

“A revitalização do Gloria Palace reafirma o compromisso do Grupo EBX em investir em iniciativas que valorizem o potencial econômico e turístico do Rio, trazendo um conceito inovador de hotel de luxo, com todos os serviços acessíveis não só aos hóspedes, mas também ao público mais exigente da sociedade carioca”, afirma Marco Adnet, diretor da REX, empresa de desenvolvimento imobiliário do grupo, responsável pelas obras.

Em funcionamento na cidade mineira de Pocinhos do Rio Verde desde 1886, o Grande Hotel Minas (antes denominado Hotel Rio Verde) nunca parou de se modernizar. “Desde a abertura até os dias de hoje o empreendimento vem passando por mudanças, mais notadamente a partir de 1914, quando implantou o seu próprio balneário em função da divulgação do poder curativo das águas sulfurosas”, explica o gerente geral do hotel, Marcelo Tomatis.

De lá para cá foram feitas manutenções periódicas no edifício e, em 2010, o hotel iniciou uma grande reforma que incluiu uma série de melhorias, como a adoção de um moderno e amplo sistema de circuito interno por câmeras de TV, ampliação e renovação completa anti-incêndio e a distribuição de sinal de internet em todo o hotel. “A implantação dessas tecnologias foi de fato complexa justamente em função do estilo e da extensa área de nossa construção”, atesta o gerente.

Para o profissional, a importância dos hotéis históricos é simplesmente indiscutível, já que esses empreendimentos contam parte da história do país, sua cultura, costumes. “Acredito que há um público exigente a procura por esse tipo de experiência. A opção de se hospedar em um hotel histórico ocorre pela motivação do cliente em vivenciar e conhecer parte de uma história, do resgate ou busca por sentimentos e sensações, além do conforto e do bom atendimento”, completa Tomatis.

Com obras iniciadas em 1938 e inauguração somente em 1944, devido à grandiosidade do projeto, o Grande Hotel Termas do Araxá, em Minas Gerais, desde abril de 2010 faz parte da rede Tauá de Hotéis. O estilo arquitetônico é o mesmo encontrado nas antigas construções coloniais em países como Colômbia e Venezuela, e o design interior segue o modelo neo-clássico, com colunas, capitéis e arcos. “Além da adaptação tecnológica, que consideramos natural, a estrutura física do hotel não sofreu alterações da abertura até os dias de hoje”, diz o analista de mídia da rede, César Paulo.

Primeiro empreendimento no Brasil a conquistar o status de Hotel Histórico, de acordo com o novo Sistema Brasileiro de Classificação de Meios de Hospedagem (SBClass), elaborado pelo Ministério do Turismo (MTur), o Brasília Palace foi inaugurado em 1958 na capital federal do País. Durante o seu período áureo, hospedou personalidades como André Malraux, Jean Paul Sartre, Indira Gandhi, Rainha Elizabeth II, Dwight Eisenhower, Che Guevara, entre outros.

Em 5 de agosto de 1978, um incêndio destruiu completamente o empreendimento, que ficou abandonado até 1997 quando o então governador Cristovam Buarque lançou o Edital de Licitação, de abrangência nacional, para a restauração do Brasília Palace Hotel, atendendo a um pedido de artistas, pioneiros e preservacionistas da cidade. As Organizações PaulOOctavio venceram o certame, tendo sido a única empresa do País a apresentar proposta, pois as características do Brasília Palace Hotel não permitiam a ampliação do prédio.

“O hotel passou por uma restauração completa supervisionada pelo escritório de Oscar Niemeyer (responsável pelo projeto original), garantindo que a estrutura fosse adequada às exigências de segurança atuais sem que fosse descaracterizada. Dentre as mudanças realizadas, destaco duas estruturas anexas ao prédio principal, que servem como rota de fuga; a adequação do hotel às novas legislações de segurança; e o uso de breezes para diminuir a troca de calor com o ambiente externo nos corredores”, afirma o gerente geral, Daniel Bernardes.

Sobre a classificação, Bernardes diz que este reconhecimento emocionou a equipe do hotel. “O hotel foi a primeira obra inaugurada na cidade, ofereceu os primeiros bailes, primeiro concurso de miss, foi o primeiro a usar aço nacional em sua estrutura e muitas outras inovações. Desta vez, não poderia ser diferente: trazemos mais esta referência para o hotel e para Brasília. Dedicamos este marco pioneiro ao saudoso presidente Juscelino Kubitschek, e a Oscar Niemeyer”, destaca.

Joias internacionais

Em países como Inglaterra, França, Espanha e Portugal, é possível conservar prédios históricos em pleno funcionamento por séculos, como conta Caio Calfat. Segundo o profissional, as grandes capitais europeias, por exemplo, sempre mantiveram-se saudáveis. “Os locais onde 100/200 anos atrás eram importantes, continuam importantes hoje, diferentemente dos do Brasil, como o Pelourinho e a região do Porto do Rio de Janeiro. Com isso, é fácil encontrar hotéis históricos preservados e cuja demanda não foi reduzida com o passar do tempo, como o George V e o Ritz Paris (França); o Savoy, em Londres (Inglaterra); o Ritz Lisboa (Portugal); o Majestic, em Barcelona, (Espanha); e o Alvear, em Buenos Aires (Argentina)”.

Situado no bairro da Recoleta, em Buenos Aires, o Alvear Palace Hotel foi inaugurado em 1932, após dez anos de construção. Concebido originalmente como um hotel de luxo para hospedar a crescente quantidade de visitantes europeus, possui quartos, suítes, lobby e áreas públicas em estilo Luis XIV e Luis XVI, que são notados nos móveis, candelabros de cristal, paredes decoradas com folhas de ouro e obras de arte de artistas renomados.

“Nosso hotel conserva a elegância e o estilo daquela época, mas com muita tecnologia incorporada. Entre as principais mudanças da abertura até os dias de hoje estão a construção de um spa e fitness center, a remodelação de todas as habitações, inclusive dos banheiros que ganharam hidromassagem e box separado com ducha, além da construção de um moderno business center e da distribuição de internet sem fio por todo o hotel”, explica o gerente sênior de Vendas Corporativas, Patricio Costa.

Localizado a poucos metros da Champs-Elysées, o emblemático George V foi projetado em 1920 e inaugurado somente em 1928, dito como um verdadeiro hotel de luxo moderno e elegante, dotado de inovações tecnológicas, que incluíam telefone em todos os quartos, suítes com dois banheiros, armários embutidos, alarmes de incêndio, entre outras comodidades que custaram cerca de 60 milhões de francos, o que hoje equivale a US$ 31 milhões.

Em 1997, a rede Four Seasons Hotels and Resorts assinou um acordo de longo prazo para o gerenciamento do hotel. A partir de então, o empreendimento ficou fechado por dois anos sob os cuidados do arquiteto Richard Martinet e do designer de interiores Pierre-Yves Rochon em um projeto de renovação que demandou investimentos de US$ 125 milhões e manteve o charme original do prédio, adaptando a estrutura às necessidades tecnológicas que o século 21 pede. “Incorporar tecnologias é um esforço contínuo desde que reabrimos. A maior dificuldade é acompanhar o ritmo em que ela evolui e é um desafio corresponder às expectativas dos hóspedes”, frisa o diretor de Marketing do hotel, Francisco Garcia ao afirmar que atualmente mais de 65% dos hóspedes são clientes fiéis.

Aberto em 2011, na Patagônia Chilena, o hotel butique The Singular diferencia-se por ter sido instalado em um antigo frigorífico de 1915. Após um cuidadoso retrofit, realizado pelo arquiteto Pedro Kovacic e o designer de interiores Enrique Concha, o prédio manteve suas características originais e ganhou mais conforto e sofisticação. “O desafio foi mostrar uma nova função dentro do edifício antigo que tinha como principal atividade a indústria”, comenta Kovacic.

O tema histórico é um dos destaques do hotel, segundo o sócio-diretor, Nicholas Sahli. “Este foi o edifício mais importante da Patagônia na época da colonização dos pioneiros europeus. O prédio pertencia à principal empresa de produção de ovinos e lã da região no início do século 20 e acredito que as pessoas estão procurando por hotéis com conteúdo, com um conceito ou uma história para contar”, assegura.

Manutenção e atualização

“Acredito que incorporar novidades tecnológicas a prédios antigos seja um dos grandes desafios na manutenção e atualização de hotéis históricos”, diz Caio Calfat ao enumerar as diversas dificuldades que podem ser encontradas, como o formato dos quartos, os tipos de móveis, a parte hidráulica, a reposição de azulejos, metais e esquadrias. “Muitas vezes o que se encontra nas paredes é um grande desafio para qualquer arquiteto”, afirma.
Outra particularidade são os espaços comuns. Calfat conta que antigamente não havia necessidade de um centro de convenções, mas, por outro lado, era primordial oferecer uma sala exclusiva para os fumantes, por exemplo. “Hoje, a necessidade gira em torno de ambientes como spa e fitness Center”, pontua.

Para o gerente geral do Grande Hotel Minas, Marcelo Tomatis, por se tratar de uma obra secular todo cuidado é pouco na manutenção. “O trabalho precisa ser muito bem planejado e executado para que se preservem as características originais e o charme da construção”, diz.

César Paulo, analista de Mídia do Grande Hotel Termas de Araxá, ratifica a afirmação e acrescenta que manter um patrimônio histórico requer atenção com todos os detalhes, desde o mobiliário, passando pelos jardins, até o prédio em si. “Atenção é fundamental para que as origens não sejam perdidas. Por outro lado, há a necessidade de incluir novidades para atrair o público. É muito difícil inovar em uma estrutura que requer tantos cuidados”, avalia.

“O principal desafio é o nível de detalhe e os investimentos necessários para conservar o frescor do produto, ser inovador e manter-se fiel à identidade original. Atualmente, nosso investimento anual em manutenção é de, em média, 4% da receita total do hotel, excluindo quaisquer projetos especiais”, destaca o diretor de Marketing do hotel, Francisco Garcia.

Hotel Histórico segundo o SBClass

O documento do Ministério do Turismo que classifica os hotéis na categoria Históricos afirma que o empreendimento deve estar instalado em uma “edificação preservada em sua forma original ou restaurada, ou ainda que tenha sido palco de fatos históricos-culturais aqueles tidos como relevantes pela memória popular, independentemente de quando ocorreram, podendo o reconhecimento ser formal por parte do Estado brasileiro, ou informal, com base no conhecimento popular ou em estudos acadêmicos”.

Com o novo sistema, hotéis históricos podem receber de três a cinco estrelas, sendo que para isso devem atender alguns requisitos básicos, como disponibilizar televisão e frigobar em 100% dos quartos e medidas permanentes para a geração de trabalho e renda para a comunidade local. Para conquistar quatro estrelas, o empreendimento deve adicionar serviços como o de lavanderia, canais de TV por assinatura, secador de cabelo, café da manhã no quarto, restaurante e facilidades para bebês (cadeiras altas nos restaurantes, locais para aquecimento de mamadeiras e comidas).

A quinta estrela é conseguida com diferenciais que vão de serviços de guest relation ou concierge, guarda dos valores dos hóspedes, opção a la carte no restaurante, preparação de dietas especiais, troca de roupa de cama e banho diariamente, sala de ginástica equipada, a área de estacionamento exclusiva e manobrista 24h, por exemplo.

Deixe uma resposta