Boas práticas de RH

Empresas inovam com ações de estímulo e valorização de equipes

Muitos são os motivos que podem tornar uma empresa o grande alvo de executivos em formação ou fase de upgrade profissional, e nem sempre eles passam pelo valor do contracheque. Um bom pacote de benefícios, planos de carreira sólidos e boas práticas na área de Recursos Humanos são fatores determinantes e cada vez mais ressaltados em editais e processos seletivos.

Nem sempre foi assim e especialistas no tema, como a headhunter Lucila Quintino, da HotelConsult, atribuem a mudança ao ambiente de extrema competitividade do mercado, não só em relação ao serviço que prestam, como ao capital humano que empregam. “Nunca a área de Recursos Humanos foi tão demandada como ultimamente. No segmento hoteleiro, por exemplo, a escassez de mão de obra qualificada é uma realidade latente que está impulsionando as empresas a terem um olhar diferente para as pessoas”.

Lucila lembra, entretanto, que no ramo da hotelaria, mais particularmente, ainda são poucas as empresas ou grupos que despendem tempo e investimento na implementação de ações que realmente impactem na retenção de funcionários e, consequentemente, na diminuição das taxas de turnover. “Entre as que criam projetos consistentes, afirmo com certeza que o desenvolvimento de pessoas tem prioridade nas políticas de RH”.

Listada no ranking das melhores empresas para se trabalhar no Brasil há 16 anos, a Accor se encaixa no perfil das que acreditam na diferença que pessoas podem fazer nos resultados de uma organização. “Nosso principal diferencial competitivo está na força das nossas equipes e por atuarmos com importantes focos nas nossas práticas de RH – investimos fortemente na formação das pessoas, na capacitação dos líderes e no desenvolvimento profissional com ações de engajamento e motivação”, afirma Fernando Viriato, diretor de Recursos Humanos do Grupo Accor na América Latina.

De acordo com Viriato, as mulheres representam quase metade do total de colaboradores e outro diferencial que também rende pontos nos rankings liderados pela Accor está o tratamento igualitário entre os gêneros. “Temos uma rede interna para valorizar a condição das mulheres na organização, a WAAG (Women at Accor Generation) e desenvolvemos diversos programas e ações voltadas ao público feminino, como o programa de Mentoring, entre outros”. De acordo com o diretor, ações como essas têm comprovado impacto na redução marginal do turnover em relação à média de mercado e no próprio rendimento das equipes, que se tornam mais produtivas quando engajadas, motivadas, satisfeitas e capacitadas.

“Garantir um lugar na lista das melhores empresas para se trabalhar não é tarefa fácil”, pondera Laíni de Melo Silva Osmani, supervisora de Experiência e Talentos Humanos do Grupo Rio Quente, que no ano passado também figurou em rankings da América Latina, Brasil e Centro-Oeste. “Isso reforça nossa preocupação em ter o melhor ambiente corporativo e valorizar nossos talentos, por meio de experiências e premiações. Nossa gestão é participativa, e os funcionários tratados como associados e não como empregados, por serem parte integrante e principal do negócio. Os consideramos sócios por investirem seu capital intelectual e comprometimento em prol do sucesso da organização”, explica a diretora do grupo que na lista de benefícios inclui auxílio babá ou reembolso de creche, plano de saúde e odontológico, transporte, refeições na empresa, fundo integrativo, prêmio casamento, participação nos resultados (duas vezes ao ano), cursos de idiomas e gratificação por tempo de casa. “Nos últimos cinco anos, os associados receberam bônus que somam R$ 20 milhões”, informa Laíni.

Grande e diversificado é também o leque de iniciativas desenvolvidas visando a motivação dos atuais 2,1 mil funcionários empregados nas quatro frentes de negócios do grupo: hospitalidade (Rio Quente Resorts), entretenimento (Hot Park), operadora turística (Valetur Viagens) e vacation ownership (Rio Quente Vacation Club). Entre eles estão o Associado Fantástico, programa que reconhece as equipes pelos níveis de atendimento, empatia, alegria e desempenho. Seis vencedores são premiados anualmente com tablets e viagens com tudo pago. Outras campanhas do gênero focam na valorização de performance, competência, potencial, desenvolvimento e excelência em serviços.

Na opinião da diretora, poucas maneiras são mais eficientes para gerar essa percepção do que buscar a transparência nas ações, ou seja, deixar claro para os associados onde a empresa está indo, o que espera de seu time e qual estrutura e plano de carreira oferece para que as pessoas alcancem seus objetivos.

Casa própria

Em uma iniciativa inédita entre empresas do gênero, o Grupo Haganá, composto pelas empresas Haganá Segurança, Haganá Eletrônica e Haganá Serviços, promoveu no ano passado uma campanha que terminou com o sorteio de casas no valor de R$ 50 mil que contemplou quatro colaboradores destacados pela assiduidade. “É uma mistura de emoções que não tenho como descrever, algo fora da realidade. No início não acreditei que aquilo estava acontecendo comigo, mas quando a ficha realmente caiu foi uma sensação maravilhosa”, conta o vigilante Carlos Zonildo, um dos primeiros colaboradores contemplados com a realização do sonho da casa própria. “Eu digo para todos acreditarem, pois se eu ganhei qualquer um que trabalhar corretamente também pode ganhar”, completa.

Para participar da campanha, o funcionário não poderia ter nenhuma falta injustificada, suspensão disciplinar ou advertência, nem estar em processo de desligamento do emprego durante o período de apuração da campanha. Quem preencheu os requisitos teve direito a um número, em cada período de apuração, para o sorteio. Já os que não tiveram nenhum tipo de falta, incluindo as abonadas, aumentam suas chances, com a aquisição de três números. “Além de termos funcionários mais motivados, a campanha resultou na diminuição de 20% no número de faltas no ano passado e neste a expectativa é de que o índice suba para 30%”, afirma o diretor administrativo operacional, Ricardo Napoli.

Deixe uma resposta