A cozinha responsável do chef Gabriel Broide

Paulista, nascido em dezembro de 1981, Gabriel Broide – chef do hotel Botanique, distante 15 km do centro de Campos do Jordão (SP) – costumava acompanhar o pai na preparação dos churrascos da família. “Ele sempre foi um exímio churrasqueiro. Também pudera… gaúcho e filho de argentino. Não tinha como ser diferente”, diverte-se.

Após terminar o colegial, aos 17 anos, Broide não quis fazer faculdade de imediato e resolveu procurar um emprego. A primeira atividade do rapaz foi como lavador de pratos em um restaurante. “Como não tinha experiência nenhuma e não sabia o que queria da vida, me ofereci para o trabalho, pois era algo que eu poderia fazer e ganhar um salário em troca”, relembra.

Essa foi a primeira vez que entrou em uma cozinha profissional. Lá, se apaixonou pelo ambiente e foi incentivado por um cozinheiro a seguir carreira, conta Gabriel. “Ele acreditou ter visto algum talento em mim. Depois disso, eu nunca mais quis fazer outra coisa profissionalmente”.

Apoiado pela família, se matriculou no curso de gastronomia para conseguir um estágio no hoje extinto restaurante Tambor, chefiado à época por Carlos Siffert. “Esse estágio abriu as portas para o trabalho seguinte, na cozinha do DOM, de Alex Atala; e depois no extinto Zoe, com Michel Darqué”.

Leia a matéria completa na edição 412

Deixe uma resposta