Repensando o design hoteleiro

Por David T’Kint

Para tornar a experiência do hóspede à prova do futuro, os hotéis de luxo estão sendo desafiados a trocar interiores exuberantes e lobbies de convívio social por espaços privados e materiais fáceis de limpar.

Os hotéis mais emblemáticos do mundo são instituições. Eles são o que alguns descrevem como “museus vivos” que hospedaram os nomes e eventos mais notórios da história. Apesar das tendências em constante mudança, eles são cápsulas vivas do design que podem nos transportar de volta, mantendo legados que transcendem uma geração.

No entanto, o mundo está sempre evoluindo e até a hotelaria de luxo precisa permanecer relevante para os nossos filhos – que não conseguem o suficiente do Tiktok e do Instagram – e para os avós, que têm certas expectativas quando viajam.

Por sua vez, a Covid-19 está desafiando o entendimento do setor sobre as tendências de hotéis em evolução. Como os hóspedes reagirão? As pessoas terão medo de fazer uma viagem de várias gerações para o outro lado do planeta, ou sentirão o desejo de se entregar após semanas de isolamento?

O Covid-19 está nos desafiando a reinventar a experiência do hóspede para que hotéis icônicos permaneçam santuários de escapismo para as gerações futuras

David T’Kint, partner, HBA EMEA

Enquanto escrevo isso, aviões foram aterrados, aeroportos foram fechados e, como consequência, muitos hotéis fecharam quando não foram requisitados para ajudar a combater o vírus. Como designer de interior, teremos que nos adaptar, ser flexíveis e nos reinventar enquanto trabalhamos em estreita colaboração com operadores hoteleiros em busca de respostas que não temos no momento. Uma mudança imediata é a higiene. As principais operadoras de hotéis do mundo anunciaram a criação de selos de saúde e segurança.

Os designers de interiores precisarão especificar materiais fáceis de limpar e manter, evitar detalhes de instalação onde os germes podem ficar presos, repensar as maçanetas das portas e os sistemas de gerenciamento de quartos para evitar tocar nos interruptores. Poderíamos não utilizar também materiais como lã e seda , incluindo travesseiros e tapetes, o que representa um desafio para os hotéis de luxo icônicos reconhecidos por sua opulência.

O distanciamento social deve permanecer no futuro próximo e, como designers, teremos que nos adaptar a isso, principalmente nos restaurantes e nos bares de hotéis. Não veremos espaços cheios tão cedo – portanto, a dinâmica do design será essencial para permitir que esses espaços funcionem novamente. Os buffets também podem desaparecer. Precisamos otimizar criativamente essas áreas para evitar a restrição de 30% da capacidade, o que não faz sentido para nenhum modelo de negócios.

Os clientes típicos de hotéis de luxo também devem priorizar a privacidade. Não seria surpreendente ver o papel do lobby do hotel – tradicionalmente o lugar para ver e ser visto em hotéis icônicos e, mais recentemente, para trabalhar e relaxar – se tornando mais uma passagem, à medida que novas tecnologias promovem check-in e concierge digitais. Uma experiência mais exclusiva e individualizada permitirá que os hóspedes façam check-in diretamente em seus quartos.

A sustentabilidade, que já está difundida há algum tempo, não será mais uma tendência – é uma demanda a ser construída para qualidade e longevidade. Agora estou projetando as áreas públicas de um hotel que foi inaugurado há mais de 100 anos. Nosso objetivo é fabricar ou fornecer localmente todos os elementos do projeto. Isso ocorre porque, além de celebrar o artesanato e o conhecimento local, evita um impacto desnecessário no meio ambiente devido à importação do Exterior.

Historicamente, alguns dos melhores exemplos de design surgiram de um conjunto desafiador de requisitos, e nossos desafios atuais oferecem oportunidades empolgantes para os designers enfrentarem. Somos criadores e, portanto, precisamos inovar. Como designer de interiores de hospitalidade, sempre enfatizei a experiência do hóspede. Impulsionado pela pandemia, a higiene, distanciamento social, privacidade e a sustentabilidade me desafiarão a reinventar essa experiência mais uma vez, para que esses hotéis icônicos continuem sendo santuários de escapismo para as próximas gerações.


David T’Kint é parceiro da HBA EMEA, grupo global de design por trás das identidades interiores de marcas de luxo, hotéis boutique, spas, residências, restaurantes e cassinos.

A matéria original We must rethink hotel design for a brave new world foi publicado no LS:N Global


Deixe uma resposta