Programa de Crédito Turístico de SP ultrapassa R$ 1 bilhão em reforços

O Programa de Crédito Turístico do Estado de São Paulo completou um ano, com reforço de R$ 1,16 bilhão ao setor. A iniciativa da Secretaria de Turismo (Setur) e do Desenvolve SP, instituição financeira do Governo do Estado, tem como objetivo promover o crescimento sustentável de negócios do segmento.

Durante esse período de vigência, foram investidos R$ 457 milhões em 172 projetos, sendo 117 públicos e 55 da iniciativa privada. De acordo com a Setur-SP, o valor beneficiou secretarias municipais de turismo, empresas da área de alimentação, hotelaria, agências de viagens, aviação e eventos.

“São obras como a de iluminação e infraestrutura do acesso viário de Mogi Guaçu (R$ 5 milhões) ou um parque aquático em Serra Azul (R$ 5,4 milhões), que vão dar mais qualidade à experiência do turista. Sabemos da importância do apoio ao pequeno e médio empreendedor do turismo e estamos fazendo o possível para que seus negócios prosperem”, diz Vinicius Lummertz, secretário de Turismo do Estado de São Paulo.

Em março, com o avanço da pandemia de Covid-19, o programa foi adaptado para facilitar o acesso ao capital de giro, a fim de cobrir as despesas fixas e operacionais de empresas como salário de funcionários, dívidas com fornecedores, pagamento de aluguéis, entre outros. Até o momento, foram investidos  R$ 707 milhões em mais de duas mil empresas.

“Estudamos muito a situação. Com a interrupção das atividades, o setor turístico foi avaliado como um dos que mais seriam afetados pela pandemia, junto ao da cultura e economia criativa e o comércio, e faltaria liquidez nas empresas. Por isso, ainda em março, no início da pandemia, lançamos uma linha exclusiva com condições diferenciadas para estes setores”, explica Nelson de Souza, presidente do Desenvolve SP.

Em setembro, pensando na recuperação e retomada do setor turístico, o Ministério do Turismo e o Desenvolve SP fecharam uma parceria para destinar mais R$ 400 milhões às empresas por meio das linhas de crédito do Fundo Geral do Turismo (Fungetur).  

Deixe uma resposta