Profissionalização de cozinhas em hotéis é necessária

A chegada da tecnologia já é realidade em muitos setores da economia e, como eu venho dizendo há algum tempo, quem estiver preparado para atender às demandas futuras estará a frente do mercado. O setor de food service é um ótimo exemplo disso. É um dos segmentos que mais cresce no país e a tecnologia agiliza processos, além de garantir a qualidade na produção dos alimentos.

No setor hoteleiro, ao qual eu tenho grande proximidade e parcerias com clientes, a tendência é a mesma. O investimento inicial em tecnologia não atrai os empresários, mas os benefícios em qualidade da produção, menor perda de alimentos, agilidade no atendimento, economia de recursos, e até mesmo a limpeza dos produtos são extremamente valiosos para um negócio.

Quanto mais profissional a empresa, melhor o atendimento e, claro, a satisfação dos clientes, fator essencial para um possível retorno do hóspede ao hotel, ou até mesmo de grupos de funcionários que vão almoçar no local durante a semana.

Fornos combinados, que podem preparar diferentes alimentos ao mesmo tempo, equipamentos que podem ser programados para produzir um prato mais elaborado, que leva mais tempo de cozimento, durante a madrugada, resfriadores e congeladores, que mantêm a temperatura correta dos alimentos e preservam sabor e aparência, entre outras diversas tecnologias que podem auxiliar uma produção dentro de um hotel. Outro equipamento que pode interessar é o sistema de café para eventos da Bravilor, que mantém o café na mesma temperatura em até seis horas, sem precisar requentar a bebida. Ótima opção para workshops e coquetéis.

E é importante ressaltar que mesmo empresas de menor porte podem contar com os equipamentos para auxiliar na produção. Um bom exemplo é Hotel Requinte, localizado em Santo Amaro, que acaba de inovar em sua cozinha com projeto do Edgar Ribeiro Arquitetura, na compra de equipamentos Intellikit para padaria e cozinha.

O fato é que a tecnologia é grande aliada da produção de alimentos. A cocção pode ser feita com antecedência e, na hora do pico do movimento, finalizar os pratos e já servi-los aos clientes. È uma facilidade que qualquer estabelecimento, seja pequeno, médio, ou grande, deveria ter para melhorar o trabalho dentro da cozinha e proporcionar uma experiência gastronômica de maior qualidade aos clientes.

José Carlos Dias Reis é diretor da Intellikit, mestre em engenharia de alimentos e monta cozinhas para chefs como Alex Atala e outros. 

Deixe uma resposta