Panamá

Paraíso de compras, cultura e belezas naturais

Com pouco mais de 75,5 mil quilômetros quadrados e 2,8 milhões de habitantes, a República do Panamá é um istmo que surgiu há aproximadamente três milhões de anos como resultado de movimentos tectônicos e atividades vulcânicas. Essa pequena faixa de terra separou as águas do Caribe e do Pacífico e uniu as massas continentais das Américas, aquecendo as geladas costas europeias e dando origem às savanas africanas.

Quando os espanhóis chegaram ao país, no início do século 16, tiveram a ideia de construir uma rota que religasse os oceanos. Mas foi apenas após a independência, em 1904, que o Canal do Panamá – considerado pelos panamenhos a oitava maravilha do mundo – começou a ser construído, sendo inaugurado em 15 de agosto de 1914.

Impressionante pela extensão (aproximadamente 80 quilômetros) e pela engenharia, o Canal do Panamá funciona 24 horas por dia por meio de três eclusas de duas vias cada. Elas servem como elevadores de água que sobem as embarcações a 26 metros do nível do mar, para que possam passar pela Cordilheira Central, e depois as descem do outro lado do istmo.

Com a crescente demanda do comércio e do turismo mundial, o Canal do Panamá está sendo ampliado e deve dobrar sua capacidade em 2014, ano em que comemora seu primeiro centenário. As obras tiveram início em outubro de 2006 e abrangem principalmente escavação de terra, dragagem e construção de dois novos complexos de eclusas mais compridas e largas que as atuais para que navios de dimensões maiores possam passar. Atualmente, as eclusas comportam embarcações de até 294 metros de comprimento e 32 de largura.

Compras e cultura

Apesar de grandioso, não é só do canal que vive o Panamá. O território, dividido em cinco comarcas indígenas (Kuna Yala, Ngäbé-Bugle, Emberá-Wounaán, Madungandí e Wargandí) e nove províncias (Bocas del Toro, Colón, Chiriquí, Darién, Herrera, Los Santos, Veraguas, Guna Yala e Panamá), possui grande diversidade de atrações turísticas.

Segundo informações da Autoridade de Turismo do Panamá (ATP) de janeiro a dezembro de 2012 o País recebeu 2.086 milhões de visitantes vindos principalmente da América do Sul (47,3%), sendo o Brasil o quarto maior mercado emissor, atrás da Colômbia, Venezuela e Argentina. Logo depois aparecem os turistas da América do Norte (28,7%), da Europa (9,9%), da América Central (8,4%), Ásia (2,8%) e Antilhas (2,5%).

Destino certo para os adeptos do turismo de compras, a Cidade do Panamá oferece centros comerciais e shoppings repletos de marcas famosas e preços tentadores devido ao sistema de tax-free que opera por lá. Há sempre ofertas de eletrônicos, roupas e acessórios, mas é importante pesquisar e negociar para não sair perdendo diante de tantas opções. Entre os shoppings mais visitados estão o Los Pueblos, o Albrook Mall, o Multiplaza e o Multicentro. Para compras no atacado a sugestão é a Zona Livre de Colón (segunda maior área livre de impostos do mundo, depois de Hong Kong) distante cerca de uma hora de carro na Cidade do Panamá.

Para os que preferem cultura e arquitetura, a região central da Cidade do Panamá deslumbra os visitantes por seu perfil moderno, cheio de prédios altos e glamorosos, entre eles o recém-inaugurado hotel Waldorf Astoria, o primeiro da marca na América Latina, e o Trump Ocean Club International Hotel & Tower Panamá, edifício de 70 andares construído no formato de uma vela de barco e que abriga o hotel cinco estrelas do magnata Donald Trump.

Do outro lado da Baía do Panamá está o Casco Antiguo, considerado Patrimônio da Humanidade pela Unesco, onde estão as construções do século 17. Pelas charmosas ruas do bairro estão casinhas coloniais que guardam lojas de artesanatos, restaurantes, bares, galerias de arte e alguns hotéis-butique e hostels. Dentre os pontos mais representativos a serem visitados está a Praça da Independência, cercada por prédios históricos e onde se encontra a Catedral Metropolitana Santa María La Antigua, igreja católica sede da Arquidiocese do Panamá construída entre 1688 e 1796.

Praias e aventura

Aos adeptos às belezas naturais, o Panamá também não deixa nada a desejar. Ao longo dos 2,857 quilômetros de litoral encontram-se praias tropicais de areias brancas e águas transparentes. Distante cerca de 40 minutos de avião da Cidade do Panamá está Bocas del Toro, um arquipélago que faz fronteira com a Costa Rica formado por nove ilhas principais e 200 ilhotas desabitadas.

A capital da província, a cidade de Bocas del Toro, é caracterizada pelas grandes e coloridas casas de madeira construídas no começo do século 20 pela americana United Fruit Company, que produzia e comercializava frutas tropicais. Visita imperdível em Bocas del Toro é a praia de Red Frog, na Ilha de Bastimentos. Recanto dos surfistas, possui paisagem idílica e águas transparentes. Difícil mesmo é encontrar a minúscula rã vermelha que dá nome ao lugar em meio à vegetação intensa.

Outro lugar paradisíaco é o arquipélago de San Blás, formado por 365 ilhotas e habitado pelo povo indígena Kuna. A cor da água varia entre o verde claro e o azul turquesa e os meios de hospedagem resumem-se a cabanas de madeira e palha que podem ser de uso privativo ou para grupos e famílias. Vale a pena visitar algumas dessas ilhas, como Isla Aguja, uma das mais próximas da costa, e a Isla Del Diablo, onde é possível degustar pratos típicos do povo Kuna feitos na hora.

Deixe uma resposta