Os caminhos do esqui na América do Sul

Brasileiros estão procurando mais os destinos de inverno

Para fugir do tradicional roteiro ‘sol e praia’, conhecer paisagens bem diferentes do que nosso País oferece e ter a oportunidade de praticar esportes nada tradicionais no Brasil, como esqui e snowboard, nos últimos dez anos os brasileiros têm procurado cada vez mais os destinos de neve, como conta André Napp, o diretor da agência de viagens SnowOnline.com. “As pessoas perceberam que esses lugares são uma alternativa viável e de altíssimo nível. É uma viagem boa para casais, grupos de amigos e famílias completas. Agrada a todas as idades. A demanda está cada vez maior e a tendência é que esse movimento se perpetue. Quem viaja para neve uma vez volta sempre”, afirma Napp.

Para aproveitar a neve branquinha não é necessário ir muito longe. Aqui na América do Sul é possível encontrar estações de esqui com ótima infraestrutura para famílias inteiras, que têm à disposição muita sofisticação nos empreendimentos hoteleiros, além de ótimas opções gastronômicas. “Eles sabem receber e agradar a todos”, diz Napp para quem não há um perfil específico de turistas que buscam por esse tipo de viagem. “O brasileiro já entendeu o que é essa experiência e está querendo conhecer”, diz.

Na região há muitos destinos interessantes, como Bariloche e Las Lenãs, na Argentina; Portillo e Valle Nevado, no Chile, todos já bastante difundidos entre os brasileiros; e outros menos populares, como Cerro Chapelco, em San Martin de Los Andes; e Cerro Castor, em Ushuaia; ambos na terra dos ‘hermanos’. No Chile, entre as localidades pouco exploradas estão a cidade de La Parva, o vulcão Osorno, situado próximo a Puerto Varas; e Huilo Huilo, a 860 quilômetros ao sul de Santiago, que tem área de 100 mil hectares e uma reserva biológica que abriga o Centro de Neve Aventura Bosque Nevado, onde, curiosamente, tem neve o ano inteiro, o que possibilita a prática do esqui até mesmo no verão.

Cerro Chapelco

Localizada no coração da Cordilheira dos Andes, a pequena San Martins de Los Andes é o principal destino turístico da província de Neuquén e recebe anualmente 15 mil turistas brasileiros. Com aproximadamente 30 mil habitantes, abriga o Parque Nacional Lanín, uma das mais importantes áreas protegidas da Argentina, e está repleta de montanhas, florestas, rica biodiversidade, rios e lagos de águas cristalinas.

Para alcançar San Martin partindo da badalada Bariloche (aproximadamente 250 km de distância e quase quatro horas de viagem), o visitante percorre a Ruta de Los Siete Lagos (Rota dos Sete Lagos) e por todo o caminho avista paisagens de tirar o fôlego entre mata nativa, flores e, claro, os lagos Correntoso, Escondido, Espejo, Falkner, Machónico, Villarino e Lácar.

Entretanto, a maior atração no inverno certamente é o centro de esqui e snowboard Chapelco Ski Resort, com quase dois mil metros de altura e mais de 20 pistas com diversos níveis de dificuldade para todos os tipos de praticantes. A mais longa delas chega a 5,3 quilômetros de comprimento, e as decidas possuem entre 20 e 45 graus de inclinação.

Sua reconhecida escola de esqui oferece serviços para a família inteira aproveitar, desde os pequenos, com o programa Jardin de Nieve (Jardim de Neve), até os profissionais, que podem se aventurar fora das pistas descendo no outro lado da montanha, atividade denominada Black Bowls.

No percurso há diversos paradores, serviços de aluguel de equipamentos e restaurantes com várias propostas gastronômicas. E, além do esqui, o complexo oferece passeios de trenó puxado por cachorros da raça huskie siberiano, percursos com motos de neve, além de trekking na montanha acompanhado por guias especializados.

Cerro Castor

Distante 26 quilômetros de Ushuaia, no extremo da Patagônia Argentina, Cerro Castor – uma montanha de 1.057 metros de altura – está a 195 metros do nível do mar e oferece 650 hectares de área esquiável em 31 pistas com níveis diferentes de dificuldade, além de doze meios de elevação.

Por estar localizado na parte mais austral do planeta, registra a maior temporada de inverno do Cone Sul – de junho a outubro -, e oferece locais para aluguel de equipamentos, escola de esqui e snowboard, seis pontos de alimentação, três butiques para venda e aluguel de acessórios e roupas, serviço de internet wifi em toda a base e 15 cabanas premium com todos os serviços incluídos.

A localidade foi escolhida para sediar o congresso Interski em 2015, evento que durante uma semana (5 a 12 de setembro) vai reunir dois mil instrutores de esportes de neve de 40 países para discutir as tendências e novidades do segmento e aprimorar as técnicas. Para receber o evento, Cerro Castor está investindo 50 milhões de pesos argentinos (cerca de R$ 13,6 milhões) em infraestrutura, como a construção de um novo túnel sobre a Rota Nacional 3, implementação de novos meios de elevação e canhões de neve artificial, além do trabalho de melhoramento das pistas.

La Parva

O vilarejo de La Parva é um dos quatro centros de esqui bem próximos à capital chilena (El Colorado, Farellones e Valle Nevado são as outras) e recebe cerca de 4,5 mil visitas de brasilerios todos os anos. Encravada na Cordilheira dos Andes e com uma belíssima vista para a vila de Santiago, oferece 40 pistas para todos os níveis de esportistas. São 38 quilômetros de área esquiável a 2,7 mil metros de altura, além da possibilidade de utilizar as pistas dos centros vizinhos Valle Nevado e Colorado. O local sedia também o Club M, escola especialmente desenhada para que o esportista aprenda a se desenvolver na prática de maneira íntegra e segura. As aulas têm duração de cinco horas por dia e incluem estilo livre, esqui alpino e skicross, além de conceitos como companheirismo, disciplina, cuidado com o meio ambiente e prática responsável.

Entre as novidades preparadas para a temporada 2014, o Centro de Esqui La Parva apresenta seu mais novo parque. Com uma área total de 32,5 mil metros quadrados (750 metros de comprimento), a novidade tem três linhas – para praticantes iniciantes, intermediários e avançados – e diferentes saltos e obstáculos. Além disso, o centro adquiriu novos equipamentos para neve artificial e ampliou em 20% a capacidade de fabricação, cobrindo, assim, as zonas mais importantes que recebem mais público durante o inverno.

No Brasil

Engana-se quem pensa que não é possível esquiar no Brasil. Claro, não em condições naturais, mas há a possibilidade de praticar esportes de neve indoor em locais como o Snowland, o primeiro parque de neve indoor das Américas. Localizado na cidade de Gramado, no Rio Grande do Sul, o Snowland é um vilarejo alpino cheio de atrações para quem curte esportes de inverno. Tem 16 mil metros quadrados, sendo oito deles dedicados à neve. Além de pistas de esqui, há também espaço para patinação no gelo, snowboard, caminhadas e exploração da montanha nevada, além de uma escola de esqui.

Apesar de ter sido inaugurado no final do ano passado, o parque já divulgou novas atrações e investimentos ainda para 2014. A atração mais esperada é a queda de neve constante na montanha, prevista para estrear em setembro, e que funcionará graças a uma tecnologia inédita no mundo, que está sendo desenvolvida exclusivamente pelo empreendimento. Uma ampla praça lúdica será construída também na área de neve, com várias atrações e atividades para as famílias, como os carrinhos de choque no gelo e os escorregadores. No final do ano, o parque receberá as motoneves importadas da Suíça de uma empresa especializada no desenvolvimento de produtos que não causem impacto no ao meio ambiente. Com elas, será possível realizar passeios pelo entorno da montanha nevada. “O equipamento é moderno e permitirá momentos inesquecíveis aos visitantes”, frisa o diretor-executivo, Christian Dunnwald.

Atualmente, o Snowland conta com três mil roupas, botas térmicas e equipamentos para esquiar e praticar snowboarding. Com os investimentos realizados, esse número duplicará. “Tudo isso faz parte de uma estratégia de sempre apresentar novas atrações para os visitantes, consolidando, a longo prazo, o sonho de ser o parque mais desejado do Brasil”, finalizou o diretor.

Deixe uma resposta