O novo normal é idêntico ao velho normal

Por Hotelaria sem Nome

“Olá, tudo bem? Como está a quarentena?”. O assunto presente em todas as conversas não poderia ser outro. Impressionante a quantidade de notícias, estudos, previsões e tendências na qual “tropeçamos” todos os dias. Nossa reação não poderia ser outra, salvo abordar estes temas em quase todas as nossas interações.

E a rotina de trabalho? Sim, infelizmente muitos perderam o emprego. Entretanto, aos que continuam trabalhando, principalmente em níveis coorporativos, a jornada reduzida de trabalho tem sido frenética. São inúmeros projetos, grupos, comitês. “Haja amor”, como diz Luiz Caldas na música. A mais nova metodologia de trabalho praticada chama-se futurologia. Tudo irá mudar!

Divagando em conclusões infundadas somos crédulos em dizer que viveremos um novo normal. Um não, vários. E, não ache absurdo que isso impacte pessoas e empresas. Através do compartilhamento nas redes sociais, qualquer texto ganha alguma relevância. Em todos os níveis hierárquicos o consumo de informações que podem não ser FAKE, mas sim IRRELEVANTES, é gigantesco.

O mais interessante é justamente analisar estas tendências. Para esse exercício convidamos você a se juntar a nós no trabalho de pesquisa. Basta acessar o Google e digitar: “tendências mundo pós-pandemia”. Serão várias, inúmeras, milhares de publicações. Vamos listar e analisar algumas que nos trarão o “conhecimento” sobre o Novo Normal. Simultaneamente, também usando o buscador, vamos procurar informações sobre os mesmos temas apontados para o futuro, entretanto exibidos em publicações antigas. Vejamos a comparação.

Mídia digital > Novo normal – 2020: canais online irão se sobressair aos canais offline > Velho normal – 2012: Google é a terceira maior empresa de mídia do mundo;

  • O novo dinheiro > Novo normal – 2020: células e moedas trazem bactérias > Velho normal 2018: 33% das compras no Brasil são online;
  • Indústria automobilística > Novo normal – 2020: indústria estará em desvantagem pós-pandemia > Velho normal – 2018: Presidente da Nissan Brasil comenta sobre compartilhamento, carros autônomos e veículos elétricos;
  • Novos serviços delivery > Novo normal – 2020: Empresas que não se adaptarem a serviços de entrega terão problemas > Velho normal – 2019 > O crescimento do mercado dos apps de delivery;
  • Humanismo e solidariedade > Novo normal – 2020: A pandemia trouxe mais humanização > Velho normal – 2013 > Papa Francisco assume falando em “Ir ao encontro das pessoas e humanizar as relações”;
  • Encapsulamento 2.0 – Home office > Novo normal – 2020: Preferência de pessoas e empresas por home office por produção e desempenho > Velho normal – 2015: Cada vez mais empresas permitem que seus funcionários adotem o expediente remoto e flexível em busca de aumentar a produtividade e reduzir os custos;
  • Educação online > Novo normal – 2020: as aulas virtuais eram questionadas por alguns, isso ficará para trás > Velho normal – 2018: EAD: 1,5 milhão de pessoas estuda à distância no Brasil.

Pois é, qual a novidade? Sim, o contexto muda mais os temas não. E no Turismo? Tudo irá mudar? Obviamente que, pelo menos até uma vacina ser distribuída, as restrições irão influenciar o consumo de produtos de viagem. Entretanto, quando isso se resolver, quem será a pessoa com dinheiro e tempo que deixará de ir para Paris, Nova York ou Roma com receio de contrair outro vírus?

Sigamos as recomendações da área da saúde, mas fiquemos atentos às bobagens. O óbvio precisa ser dito, ele não está claro para muitos.


Hotelaria sem Nome: um grupo de jovens hoteleiros que produzem conteúdo imparcial sob diversos pontos de vista


Deixe uma resposta