Hotelaria no interior do Rio de Janeiro ganha fôlego na retomada

A hotelaria do Estado do Rio de Janeiro tem obtido sinais de melhora após a flexibilização da quarentena, em razão da Covid-19. De acordo com a ABIH-RJ, as taxas de ocupação variam nos municípios do interior, até mesmo nos que fazem parte de uma mesma região, por conta das medidas impostas por cada prefeitura.

Na Costa do Sol, em Búzios, uma das últimas cidades a flexibilizar a entrada de turistas, a alta procura tem ocorrido mais nos fins de semanas, assim como no último feriado (7/9). Atualmente, a taxa de ocupação hoteleira está em torno de 80%. Um fator preponderante foi a recente liberação das praias para recreação de segunda a sexta feira. Já em Cabo Frio, a procura tem sido mediana e ficado em torno dos 50%, já que a capacidade de funcionamento é menor que na cidade vizinha, o uso das piscinas dos meios de hospedagem ainda está proibido e as praias seguem interditadas.

As restrições estão ainda maiores em Arraial do Cabo, em que os ônibus de turismo estão proibidos de entrar na cidade, com barreiras sanitárias que só permitem a entrada de carros com turistas que tenham reserva nos hotéis da cidade, com a devida comprovação por meio de documento. E a região da Costa Verde foi a última a ter as flexibilizações em seus dois principais municípios indutores do turismo, mas, mesmo assim, tem sinalizado alta procura nos finais de semana. No momento, Angra dos Reis está com 70% da capacidade de uso dos seus meios de hospedagem, e Paraty, com 50%.

Portobello Resort & Safári (Foto: Luiz Lotito)

Em Itatiaia, na região das Agulhas Negras, a flexibilização da capacidade já está em 100% e a taxa de ocupação tem registrado lotação máxima. No Vale do Café, a capacidade de funcionamento está entre 40 e 70%, e existe uma grande procura por toda a região. E a Região Serrana também registra uma alta demanda, com diferença entre as permissões de capacidade de uso dos meios de hospedagem em cada município. Em Petrópolis, no momento, a permissão é de somente 50%, e em Teresópolis, os meios de hospedagem estão operando com 70% da capacidade.

“Como a grande maioria dos empreendimentos no interior não é de redes hoteleiras, os hotéis independentes têm um desafio grande para se adaptar ao novo normal, com mudanças profundas na prestação de serviços e venda de seu produto. Mas estamos muito otimistas com esta retomada e em receber nossos hóspedes com toda segurança e excelência em qualidade”, afirma Paulo Michel, presidente da ABIH-RJ.

Situação de hotéis

O Le Canton, de Teresópolis, tem registrado 100% de ocupação dentro da capacidade permitida pelo município, que é de 70%. Os hóspedes, em sua maioria, estão à procura de lazer e descanso, longe dos grandes centros, e o complexo se destacou também no último feriado. Em Mangaratiba, o Portobello Resort & Safári retomou suas atividades em julho e também tem registrado 100% de ocupação, dentro da capacidade permitida (70%).

Hotel Santa Amália (Foto: Divulgação)

E na pousada Brisas de Búzios, na Costa do Sol, a taxa de ocupação tem oscilado entre 30 e 40%, com maior fluxo de visitantes nos fins de semana. Em paralelo, o Hotel Santa Amália, em Vassouras, na região do Vale do Café, registra um aumento gradativo da ocupação desde o início de agosto, dentro da capacidade permitida pelo município (50%), e recebido um público diferente – que é mais jovem, composto por famílias e crianças, bem diferente do público da melhor idade que costumava frequentar a região.

Foto de capa: Le Canton/Fábio Caldeira

Deixe uma resposta