Evento Tendências 360º destaca as possíveis mudanças no mercado imobiliário

No segundo dia do evento online Tendências 360, o painel “Morar” abordou temas ligados à moradia do futuro e os novos formatos e espaços de convivência que surgem com a pandemia de Covid-19. A mediadora Carolina Haro, da Mapie, recebeu a médica Andressa Gulin (AG7), o especialista em marketing imobiliário Fabio Vasconcelos (FAV) e o arquiteto Felipe Guerra, sócio da Jaime Lerner Arquitetura.

Fábio Vasconcelos destacou a mudança do mundo com a nova realidade e os lados positivos da pandemia. Segundo ele, houve uma mudança profunda nas pessoas, com uma rotina totalmente digitalizada e novas formas de se enxergar os espaços dentro de casa.

“Antes o consumidor estava preocupado em viver e viajar. Agora, ele fica cada vez mais ficando dentro de cassa. Hoje, as armas são água e sabão e o imóvel se tornou o protagonista, um espaço para as mais diversas atividades. Houve um aumento de 30% na procura por imóveis – e os novos espaços devem entregar soluções que atendam o lado afetivo e prático. Imóveis que privilegiem saúde, bem-estar e praticidade e localização vão ditar regrar a partir de agora”, explicou.

Fabio destacou a preocupação do mercado imobiliário com a Terceira Idade, já que o Brasil é a quarta maior do mundo. Ele, no entanto, diz que o país não está se preparando como deveria, mas está no caminho certo ao realizar eventos como a Feira da Longevidade.

“Muitos deles estão longe das famílias e o mercado imobiliário pode criar produtos e soluções para melhorar esse cenário. Falta respeito e cuidado com o que esse público necessita. Criar ambientes onde eles possam conviver com pessoas mais jovens seria uma ideia bem interessante”, exemplifica.

Para a médica Andressa Gulin, as pessoas já estavam querendo viver mais e melhor, buscando mais qualidade de vida, e a pandemia acelerou esse processo. Ela destacou que o lado biológico e social fazem parte da vida e, se há desequilíbrio, não é possível viver bem.

“A sustentabilidade era uma tendência e agora é obrigatória em qualquer construção. Criar ambientes dentro de casa que permitam hábitos de vida mais saudáveis e evitem proliferação de doenças será fundamental”, destacou.

Felipe Guerra lembrou que os escritórios de arquitetura já estão trabalhando com foco nas próximas gerações, desenvolvendo projetos para pessoas e bairros planejados pensando o novo normal.

“Dentro das casas já estamos trabalhando com a necessidade de criar uma “área de guerra”, com um hall estruturado que seja ligado ao lavabo. É um ambiente filtro na entrada das casas, equipado com tecnologias que ofereçam a possibilidade de desinfecção assim que a pessoa chega da rua”.

Novos ambientes

Com a pandemia, os ambientes tiveram de ser transformados rapidamente e tendências começam a aparecer, algumas delas vindas do ambiente de decoração.

“Trabalhar continuamente para manter a saúde virou uma rotina. É uma realidade que trouxe novos hábitos e que pode impulsionar novos mercados. Agora, ter na entrada da casa móveis como uma pequena sapateira ou um gazebo se tornou essencial. E nesse caso, a criatividade da arquitetura pode ajudar. Outra ideia usar copos coloridos, onde cada pessoa usa uma cor, pode diminuir chance de transmissão do vírus”.

Com a chegada do 5G e dos ambientes conectados, a tecnologia também conta a favor dos novos projetos, com soluções que possam reduzir o contato com ambientes infectados. Entre elas estão equipamento touchless de luz UV para desinfeção e até mesmo do uso da robótica para manter ambientes desinfectados sem a ação de humanos.

Deixe uma resposta