Entre duas paixões – Roland de Bonadona

Executivo divide seu tempo entre os hotéis e as corridas

“Um setor belíssimo que mesmo com a invasão digital depende essencialmente de gente”. A frase é de Roland de Bonadona, CEO Accor HotelServices Américas e Caribe e um dos grandes nomes da hotelaria no Brasil atualmente.

Formado em Administração e Sociologia, o executivo nasceu no dia 29 de maio de 1950, em Chatou, uma pequena cidade próxima de Paris, e ingressou no ramo hoteleiro em 1973, em uma rede de restaurantes e tickets que se juntaria ao grupo Novotel para em 1983 formar a Accor. “Comecei como trainee de restaurantes e em 1987 mudei para a área hoteleira na sede do grupo, em Paris, com a responsabilidade de cuidar do desenvolvimento da marca Sofitel”, conta.

Dois anos mais tarde, veio para o Brasil especialmente para conhecer a rede Quatro Rodas, que interessava à rede francesa. “Desde meus anos de estudante sonhei em visitar o Brasil. Descobri o País pelas lindas fotos e a bossa nova no Discophage, um bar com música ao vivo do Quartier Latin (na França) onde cantavam artistas brasileiros”, explica.

Detalhista, Bonadona lembra que chegou ao País com a mulher e os quatro filhos de 2, 3, 5 e 13 anos em 15 de março de 1990, dia da posse do presidente Fernando Collor. “A inflação tinha atingido 80% no mês anterior. Passei pela fase de penúria e pelos dois grandes planos econômicos, Collor 1 e Collor 2, que seguiram deixando a economia exausta e os hotéis às moscas. Aprendi a conviver com os excessos e os paradoxos, mas também com os grandes sonhos e as inúmeras oportunidades deste País que se tornou a minha segunda pátria”, conta.

Em 1994, o executivo assumiu a direção da área hoteleira do grupo no Brasil, depois passou a administrar toda a América do Sul e, em seguida, o México. Hoje são 270 hotéis operando nas Américas sob sua responsabilidade, além de 200 outros em diferentes fases de implantação.

Hobby e planos para o futuro

Adepto à corrida, Bonadona diz que costuma praticar o esporte sempre que pode. “Corro uma média de 100 quilômetros por mês, às vezes 200”, diz. Quando pode, o executivo é figurinha carimbada em corridas de rua. Somente no ano passado participou de cinco meia-maratonas. “Gosto de praticar em lugares diferentes quando viajo, já corri no Central Park (EUA); no cais do Seine (França); no Hyde Park (Inglaterra); Porto Madeiro (Argentina); Esplanada dos Ministérios (Brasil), em volta da linda cidade histórica de Cartagena (Colômbia), no Malecon (Uruguai), à beira-mar em Auckland (Austrália) e outros”. Quando está em São Paulo, a corrida é em parques.

Para o futuro, além de se dedicar à família, Bonadona diz que vai continuar a se interessar pelo setor de turismo, viajar e correr em muitos lugares que ainda não conhece, como a Escandinávia, o sudeste da Ásia, o Japão, a Índia e a Polinésia. “Quero retomar a prática de violão e, quem sabe, compartilhar minha experiência por meio de consultoria ou aulas”.

Bate-bola– Um hotel (que não seja Accor) – Chief Camp Lodge, em Botswana– Um lugar no Brasil – Praia de Copacabana vista do terraço do Sofitel – Um lugar na França – O Square du Vert Galant (Paris)– Um lugar no mundo – Os fiordes da Escandinávia (que pretende conhecer)– Uma bebida – Perrier– Um livro – A biografia de Steve Jobs– Uma banda – Beatles– Um ídolo – O General de Gaulle, grande estadista e homem providencial

Deixe uma resposta