Conheça as 13 megatendências para o turismo e hotelaria em 2020

O Skift lançou o seu relatório anual de tendências para o setor de viagens, o Skift Megatrends Defining Travel in 2020. Entre os destaques, o material revela que em 2020 há uma grande mudança no equilíbrio competitivo, com marcas criando produtos inovadores para atender às economias emergentes e viajantes mais jovens.

Em paralelo, a hospitalidade e as experiências estão se tornando diferenciais para as empresas, enquanto os destinos lidam melhor com os efeitos adversos do Turismo.

Confira as 13 megatendências do relatório:

Viagem por assinatura

Ganhar a fidelidade do consumidor significa mais do que recompensá-lo. Assinaturas e associações representam uma maneira atraente de as empresas de viagens criarem relacionamentos duradouros com os consumidores. Os modelos de assinatura e sócios virão para o setor de viagens na próxima década, não exatamente como se pode pensar. Um programa de pontos não é suficiente para criar fidelidade. As viagens estão evoluindo para adotar um modelo de associação que aborda vários aspectos da vida do viajante além da viagem.

Proteção – e não apenas promoção – de destinos

A indústria de turismo sustentável ideal é aquela onde os residentes se sentem muito bem também. Responder ao peso que o turismo pode trazer exige mais do que aderir à ideia de gerenciamento das atividades dos conselhos de turismo. Isso requer uma mudança de paradigma na maneira como os destinos operam e esta mudança está em andamento.

A linha de tendência é clara: os destinos que permanecerão competitivos e atraentes para os visitantes nos próximos anos terão que começar a proteger suas comunidades e capital cultural agora. Essa mudança de abordagem exige uma reimaginação da maneira como o marketing e o gerenciamento de destinos se cruzam, além de incorporar as preocupações das partes locais interessadas ao planejamento estratégico das agências de turismo.

Futuro das viagens impulsionado pela vida urbana

Espera-se que dois terços da população mundial morem em áreas urbanas até 2050, desenvolvendo-se hoje para acomodar essa nova densidade que servirá a indústria de viagens de maneira positiva. À medida que a infraestrutura do turismo continua a se desenvolver nas cidades ao redor do mundo, será necessário realizá-la em conjunto com outros elementos do desenvolvimento urbano.

Os viajantes usam transporte público, restaurantes e compram produtos básicos dos mercados vizinhos. Novas marcas de hotéis boutique, por exemplo, estão lançando propriedades que se encaixam não apenas na estética local, mas também nas atitudes. Tomadas como um todo, essas inovações representam a estratégia de destinos urbanos se tornarem mais atraentes para turistas e viajantes de negócios. Não é necessário construir uma cidade inteligente, mas uma cidade mais criativa, cujas escolhas inteligentes possam ser replicadas em todo o mundo.

Geração Z como próxima grande oportunidade

A geração de Millennials está na vanguarda da mente coletiva da indústria de viagens há anos, mas a partir de 2020 a Geração Z começará a entrar na idade adulta. Esta Geração Z, cujos membros mais antigos têm por volta de 22 anos, é definida pelo fato de terem sido cercados por tecnologia, como celulares e mídias sociais, desde cedo.

Um grande número de viajantes da Geração Z em breve terá dinheiro e autonomia para assumir o controle de suas próprias viagens pela primeira vez. Os Gen Zers mais antigos até 2030 estarão na casa dos 30 anos e muitos provavelmente terão filhos.

Viagens de bem-estar e o envelhecimento

As viagens de bem-estar não são mais apenas para os praticantes de ioga. As empresas encaram o envelhecimento como uma grande oportunidade, inclinando-se ainda mais para as viagens transformacionais, com foco na mente e no espírito. Muitas pessoas envelhecem e vivem mais enquanto tentam descobrir isso. Viajar está vendo uma chance de ajudar a desvendar esses mistérios.

As Nações Unidas projetam que a população global com mais de 60 anos deverá triplicar para 2,1 bilhões em 2050, algo que vai criar ainda mais demanda. Em vez de oferecer maneiras de evitar o inevitável declínio físico, as empresas de viagens estão oferecendo maneiras diferentes de abordar a mente e o espírito. Seja por meio de novas academias de idosos, sabáticos ou universidades que oferecem programas sob medida.

Marcas de outras áreas entram na hospitalidade

As empresas de consumo em diferentes categorias como artigos de luxo, roupas e até fast food estão se reposicionando como marcas de lifestyle com uma presença crescente no setor de viagens. A empresa de fitness Equinox e a gigante de artigos de luxo Bulgari são exemplos de marcas que abriram hotéis boutique. Além disso, o grupo LVMH, da Louis Vuitton, concluiu a aquisição da Belmond, que possui ou administra 45 hotéis de luxo, restaurantes, trens e cruzeiros fluviais. O poder dessa mistura de marcas com a hospitalidade é evidente. À medida que marcas de lifestyle amadurecem, os hotéis são uma opção natural de extensão.

Mais tipos de pagamentos

A tecnologia e as regras globais de pagamentos estão mudando rapidamente, lideradas por inovações contínuas na Ásia que estão facilitando a vida dos consumidores. Empresas de viagens de todos os tamanhos estão finalmente tomando medidas para permanecer competitivas. Entre os destaques aparecem os cartões virtuais, carteiras digitais e os meios de pagamento sem contato.

Neste sentido, as marcas de viagem precisam oferecer a mais ampla variedade de opções de pagamento aos compradores para maximizar sua receita. Caso contrário, alguns viajantes podem abandonar suas reservas em vez de concluí-las porque seu método de pagamento preferido não está disponível.

Crescimento do setor de aluguel por temporada

O ecossistema de aluguel de curto prazo está ficando maior e deve haver no futuro mais profissionalização orientada à marca, mais investimentos externos e consolidação de fornecedores. A Skift Research estima que as reservas brutas globais de imóveis para aluguel de temporada cresceram 7% em 2019, totalizando US$ 115 bilhões.

Cinco empresas – Airbnb, Booking Holdings, Expedia Group, TripAdvisor e a chinesa Tujia – registraram 73% de todas as reservas, mostrando como o cenário se tornou altamente consolidado. Em muitos outros aspectos, no entanto, o setor de aluguel de curto prazo é extremamente fragmentado. É possível que o setor de viagens crie uma nova categorização, procurando distinguir entre o aluguel profissional e o aluguel administrado por host.

No entanto, para os viajantes as linhas entre hotéis, aluguel de temporada, apartamentos com serviço e pousadas já estão embaçadas. Não se trata de categorização. Trata-se de atender às expectativas, seja no sofá de um apartamento, quarto de hotel de cadeia ou em uma cobertura de luxo.

Design inteligente não é mais apenas para o luxo

Os avanços tecnológicos e a ascensão da Geração Z impulsionarão ainda mais a inovação e a mudança no design das acomodações econômicas. O design inteligente nos hotéis econômicos centra-se na promessa de salas limpas e banheiros, espaços comuns, camas confortáveis ​​com roupas de cama impecáveis, wi-fi gratuito, proteção e eficiência de ponta a ponta, desde a facilidade da reserva até o pagamento.

Existe design no sentido estético e a sustentabilidade certamente influenciará a forma futura das marcas, assim como tecnologias de voz, inteligência artificial e robótica. Usar o design na busca do viajante conectado está nivelando o campo de jogo entre hotéis econômicos e seus irmãos do luxo – que ainda estão muito distantes neste quesito visual.

Revelação de dados para eventos

Os softwares multifuncionais estão virando tendência não apenas por simplificar o processo de planejamento de eventos, mas por transformar a maneira como os planejadores rastreiam e aprendem nos seus ofícios. Com isso, a evolução das ferramentas está começando a moldar o futuro do setor de reuniões.

É algo que não apenas simplifica o processo, como também permite uma maneira muito mais sofisticada de coletar e analisar dados. Com uma ferramenta tudo em um, os dados são canalizados de várias fontes diferentes e agrupados em um só lugar. Isso fornece aos planejadores todas as peças do quebra-cabeça, permitindo uma imagem mais completa e holística de um evento, mas ainda há dificuldade de concentrar todas as necessidades das empresas em uma única plataforma.

Revelação de dados para eventos

A crescente popularidade de voos de quase um dia é um dos destaques entre as companhias aéreas e a adaptação a este serviço será crucial, à medida que a demanda crescer, mesmo que não sejam as rotas mais econômicas.

Esta tendência está apenas começando. Dentro da próxima década, as companhias ultrapassarão as fronteiras finais da aviação. Em alguns casos, irão mais longe do que nunca, como o recorde da Qantas, que operou um voo direto de Nova York para Sydney com 20 horas de viagem sem escalas. É concebível que viajantes em todos os tipos de mercados possam se beneficiar.

Pequenas e médias empresas nas viagens corporativas

Novas startups vêm pressionando os operadores de viagens corporativas. Isso anuncia um futuro brilhante para o viajante médio em negócios e para os investidores em tecnologia de viagens, pois a maior parte da inovação agora está centrada no atendimento a pequenas e médias empresas.

Antes, essas empresas em fase de crescimento tinham poucos serviços voltados para elas porque têm um número bem menor de viagens em comparação a uma corporação global. E os serviços como o Concur são voltados para as necessidades dos grupos maiores, deixando uma lacuna no mercado para novos participantes explorarem.

O poder do google

Com produtos que permitem à empresa coletar quantidades inimagináveis ​​de dados pessoais, o Google facilita a vida de quem compete na indústria. Se os viajantes são usuários do Gmail, o Google analisa seus e-mails e coleta praticamente todos os seus itinerários de viagem, incluindo companhias aéreas e aeroportos, horários de partida e tipos de assentos preferidos. Sabe quais vídeos do YouTube o usuário assiste e quais aplicativos Android ele baixa, além do que está no Google Agenda.

Em paralelo, o Google Maps está prestes a se tornar um super app para viagens, serviços locais, navegação, rotas de transporte público e muito mais. Os recentes ajustes incluem oferecer aos usuários a capacidade de checar todas as suas reservas de voo e hotel simultaneamente, também de restaurantes e um recurso em que passageiros de 30 países podem ver opções de compartilhamento de bicicletas para iniciar ou continuar suas viagens de ou para ônibus ou estações ferroviárias.

Deixe uma resposta