Como a tecnologia pode ajudar empresas a evitar prejuízos durante a pandemia

Em meio à pandemia de coronavírus, que ainda causa muita incerteza no mercado, a tecnologia pode ser uma forte aliada para garantir a produtividade e reduzir os prejuízos do setor de hotelaria e turismo. Neste sentido, há quatro pontos que merecem atenção: estratégia de negócios, comunicação, canais e clientes. De acordo com o head de Energia e Indústria da consultoria Indra/Minsait, Marcelo Bernardino, os grupos que mais sofrem neste momento de crise são aqueles com processos menos digitalizados.

“As empresas que tinham um conceito tecnológico, em termos de digitalização de processos e relacionamento com cliente, tiveram um impacto menor por não ter a necessidade de estar fisicamente com o cliente. E para quem agora sofre com a falta de ferramentas, a dica é não esperar a próxima crise para se digitalizar porque haverá novos momentos como esse. Além disso, é preciso lembrar que a tecnologia não deve ser imaginada apenas em grandes investimentos e projetos muito complexos. Devemos começar por coisas simples”, diz Bernardino.

Na prática, essa implementação de tecnologia começa desde um simples totem de atendimento para check-in e check-out a outras ferramentas de automatização. Já não precisamos de um call center com muita gente. Uma alternativa é o próprio WhatsApp, que une chat e inteligência artificial com robô”, sugere.

Marcelo Bernardino

Sobre a retomada da economia, o executivo da Indra/Minsait afirma que será algo lento, que envolve as recomendações de segurança. Na hotelaria, será necessário minimizar o contato físico nos relacionamentos, facilitando a troca de informações por meio de aplicativos, inteligência artificial e uma jornada digital com o cliente.

“Vamos ter que pensar em redução de custos, eficiência e otimização muito forte. Fico preocupado com o impacto econômico e social da crise, mas teremos que voltar às atividades. O ponto é conseguir estabelecer entre segmentos, classes e sindicatos os protocolos padronizados e processos de pessoas e segurança, de forma que a retomada aconteça o mais rápido possível”.

Confira quatro fatores essenciais que podem ajudar na crise, segundo a Indra/Minsait:

  • Estratégia de negócios: tornar o acesso fácil a políticas de cancelamento claras e oferecer novas soluções de pagamento, junto a cupons de desconto e novas formas de assinatura. É necessário também repensar o próprio modelo de negócio e a proposta de valor a que se propõe a cumprir. A hora também é de tirar projetos da gaveta e fazer testes com consumidores, usando metodologia ágil;
  • Comunicação: fortalecer o posicionamento de marca, construir ofertas personalizadas, trazer flexibilidade nas ofertas e incentivar compras com descontos;
  • Canais: simplificar o processo de reserva, adaptar canais para novos padrões de usabilidade, otimizar a presença em sites de busca, reduzir custos de distribuição;
  • Clientes: trazer estratégias centralizadas no consumidor, com análise e conhecimento a respeito de quem compra, comunicação e experiência personalizadas, constante avaliação e feedback para aprimorar a relação com clientes.

Foto de capa: Marvin Meyer/Unsplash

Deixe uma resposta