Como a Covid-19 influencia nas escolhas e desejos de viagem

Ao longo deste ano, o Expedia Group mapeou as mudanças no sentimento das pessoas em relação às viagens no ambiente de incertezas influenciado pela Covid-19. Com base nas informações de 30 mil viajantes em 13 países, incluindo o Brasil, a pesquisa revela fatores determinantes na tomada de decisão, sobretudo envolvendo preços, medidas de limpeza e higiene e as interações mais importantes para essas pessoas.

A maior parte dos viajantes entrevistados (73%) relatou alguma mudança nas preferências de viagens após o impacto da Covid-19. As mais notáveis são: um terço das pessoas fazendo mais viagens domésticas; um quinto viajando mais de carro; e um quinto dando preferência a viagens mais tranquilas em destinos de praia.

“O novo estudo confirma algo que já imaginávamos: em tempos de insegurança, os viajantes são ainda mais influenciados pelos comentários sobre os hotéis na internet, assim como pelos protocolos de segurança adotados por eles. Por isso, a comunicação online deve ser uma prioridade para os hoteleiros”, afirma Nuno Sales da Ponte, diretor para o Brasil do Expedia Group.

A pesquisa também mostra variações em diferentes países:

  • Os brasileiros querem ir à praia. O crescimento do desejo por uma viagem relaxante ao litoral é mais intenso entre os viajantes do país (52%);
  • Há um sentimento variável em relação a viagens domésticas na Europa. A preferência por esses deslocamentos é um destaque na Espanha (42%), mas bastante menor na França (12%). Viajantes alemães estão mais dispostos a fazer viagens internacionais (18%) do que a média global dos viajantes (12%);
  • As viagens solos são tendência entre os franceses. O desejo de viajar sozinho foi muito mais mencionado nesse país (25%) do que no restante dos países (12%);
  • Os viajantes norte-americanos são os maiores adeptos das viagens de carro. A preferência pelas road trips é muito maior nos Estados Unidos (32%) do que em qualquer outro país;

Preço da diária

O preço continua sendo a maior preocupação ao reservar um hotel. Esse critério foi o mais mencionado por todas as gerações de viajantes, com quase 40%, seguido pela localização da propriedade. No Brasil, as respostas seguiram a tendência global, com 34% dizendo que o preço é o fator mais importante.

Mais de 8 em cada 10 viajantes brasileiros disseram que hotéis em faixas de preço semelhantes parecem iguais na internet, e que eles devem fazer mais para se destacar. Isso cruzou as linhas geracionais – mostrando que, no geral, os hotéis não estão fazendo o suficiente para tornar suas propriedades únicas e diferenciadas.

Por exemplo, os hotéis podem se diferenciar de seus conjuntos competitivos oferecendo políticas de cancelamento flexíveis, bem como incentivos para reservas antecipadas, incluindo descontos para reservas mais longas, já que os viajantes estão procurando hospedagens estendidas para sair de casa. Adicionar uma experiência a uma reserva – desde o café da manhã no quarto a um tratamento no spa – também pode ajudar.

Reputação e limpeza

Quase três quartos dos viajantes leem avaliações de outros usuários antes de reservar uma propriedade. No Brasil, o número é ainda maior, 81%. Esses reviews possuem grande impacto, especialmente para os millennials fortemente influenciados pelos ambientes sociais, e para a Geração Z, que mostrou uma preferência ligeiramente maior por propriedades com boas avaliações.

Baby boomers eram os menos propensos a ler os reviews, com um terço destes pulando esta etapa do processo. Além disso, 80% dos viajantes acreditam que, se os hotéis não responderem a avaliações negativas, a avaliação deve ser verdadeira, prejudicando assim a imagem do empreendimento.

As avaliações mais influentes e impactantes no momento atual, segundo os entrevistados, foram sobre limpeza de quartos e condição geral do hotel. Em linha com esse foco na limpeza, um estudo recente do Expedia Group e da BVA BDRC mostrou que mais de 50% dos viajantes agora esperam que os produtos para sanitizar as mãos (como álcool em gel) estejam disponíveis em todo o hotel, e metade das pessoas também espera por protocolos e padrões de higiene aprimorados.

Boas fotos e comunicação

Quase metade dos brasileiros (48%) olha para 10 ou mais fotos de uma propriedade ao procurar uma hospedagem, com um quinto dos millennials e da Geração Z olhando para mais de 15 fotos. Assim, os hotéis devem fazer o seu melhor para representar visualmente seus benefícios de propriedade, ajudando a incentivar os hóspedes na fase de sonho ou pesquisa de sua viagem para reservar. No entanto, as fotos são menos importantes se um hotel está apenas mirando baby boomers, já que um terço deles olhará para cinco ou menos fotos.

Ainda de acordo com o estudo, a maioria dos viajantes brasileiros (60%) deseja receber informações sobre amenidades e acomodações antes do check-in. Informações sobre passeios no destino (52%) também foram bastante mencionadas no país. E cerca de 60% dos viajantes de todas as gerações estão dispostos a compartilhar sua hora de chegada, juntamente com quaisquer necessidades especiais, a fim de melhorar sua experiência.

Deixe uma resposta