Perfil da chef Malu Simões

Com uma formação incomum aos chefs de cozinha, Malu Simões é arquiteta, com especialização no setor gráfico e em projetos de restauração, mas trilhou caminhos alternativos até chegar, literalmente, à Cozinha Vegetariana do Mediterrâneo, sua obra recém- lançada pela Editora Cultrix no Brasil, já foi publicada em mais de seis países, com cerca de 60 mil cópias vendidas. O conteúdo resulta do trabalho da chef brasileira e seu marido, Alberto Musacchio, que dirigem juntos o Casa Montali, um hotel boutique situado na região da Úmbria, na Itália.

“A realização deste livro foi uma experiência muito rica. Nossa intenção foi apresentar todas as receitas de forma que as pessoas não tivessem nenhuma dificuldade na preparação de cada prato, e o trabalho fotográfico completa este projeto. Todos os pratos foram preparados na cozinha do restaurante e imediatamente fotografados, aproveitando a luz natural, ângulos de jardim, um muro de pedra, uma flor ou uma planta, um elemento arquitetônico. A produção do livro foi feita durante a temporada (primavera, verão e outono) e isto propiciou aos hóspedes uma participação total, vivendo o dia a dia deste processo de criação”, conta Malu.

Mais do que um livro de culinária, Malu diz que o Cozinha vegetariana do Mediterrâneo pode ser considerado um diário, onde ela e o marido expõem suas alegrias e desafios de forma bem-humorada e revelam histórias interessantes sobre suas trajetórias. Malu chefia o restaurante do Casa Montali há mais de 18 anos e Alberto Musacchio tem 25 anos de experiência no ramo hoteleiro e na administração de restaurantes na Itália.

Considerado pela crítica local um verdadeiro ‘paraíso vegetariano’, o restaurante recebe visitantes de todas as partes do mundo. “Minha cozinha è muito ligada à tradição da culinária italiana. Procuro em cada detalhe o senso do prazer e da emoção. É uma cozinha vegetariana que propõe sabores bem precisos, que respeita a qualidade do produto original. Os vegetarianos adoram, pois em Montali o toucinho ou caldo de galinha não entram na composição de nenhum prato, mas quem não é adepto dessa cozinha também não sente falta desses ingredientes. Temos um publico que procura algo de emocionante e diferente”, que aproveita as ferias para descansar, comer bem e conhecer a enorme riqueza artístico-cultural que esta região oferece”, explica a chef.

Deixe uma resposta