Bacharel em hotelaria

Novas frentes de trabalho se abrem além do ramo da hospitalidade

Há muito descobriu-se a semelhança na operação que está por trás de hotéis e hospitais e foi aberto aí o primeiro grande nicho de atuação para quem, até então, saía de um curso de hotelaria com o foco unicamente voltado aos meios de hospedagem. Da difusão desse campo aberto, a Hotelaria Hospitalar já integra a grade dos cursos de algumas instituições de ensino, como uma extensão lato sensu, e com uma procura crescente pela especialização.

“Essa diversificação da atuação do hoteleiro tem sido cada vez mais frequente. Desde 2005, sou professora do Centro Universitário Senac e tenho percebido a intensificação deste movimento a cada ano que passa. Em 2009, o Senac-SP comemorou 20 anos dos cursos superiores em hotelaria, realizando um evento repleto de ex-alunos com atuação em empresas bastante variadas. Acredito que a explicação deste fenômeno está baseada principalmente no perfil do profissional formado em hotelaria. O hoteleiro é preparado para bem servir, para prestar atenção em detalhes, para colocar a mão na massa e ao mesmo tempo ter um olhar analítico sobre as situações e o contexto em que está inserido. Em suma, é um profissional polivalente e apto para atuar no setor de serviço de maneira geral”, afirma Ana Maria Biselli, diretora executiva do Fohb e professora do Centro Universitário Senac.

A opinião é compartilhada por Toni Sando, diretor superintendente do São Paulo Convention & Visitors Bureau, que já conta em sua equipe com 12 profissionais do setor, entre turismólogos e graduados em hotelaria. “Na indústria hoteleira , o profissional tem o prazer de servir, e o cliente o prazer em ser servido. Por isso, quem atua nessa área tem uma característica importantíssima, a excelência na prestação de serviço, fator essencial nessa área, o que faz que outros setores da economia comecem a olhar esse profissional, com um valor agregado, que o diferencia de outras atividades, pela atitude”, opina Sando.

Ainda tendo como base o cenário observado pelos docentes do Centro Universitário Senac, o professor do Bacharelado em Hotelaria e Tecnologia em Hotelaria, Gerson Bonilha, diz que a demanda por estagiários está muito grande, pois inúmeras vezes hotéis, hospitais, restaurantes se deslocam até o Senac para divulgar suas vagas em diversas áreas. “As vagas que surgem são as mais variadas possíveis, o que é um grande diferencial do curso, pois os alunos podem aplicar os conceitos de hospitalidade tanto em hotéis, spas e restaurantes como em hospitais, clubes, escritórios de advocacia (atuando como recepcionista bilingue), academias. Existe até uma solicitação de um salão de cabeleireiros com intenção de aprimorar os seus serviços demonstrou interesse em nossos alunos”, conta Bonilha.

Na opinião da coordenadora de Desenvolvimento da área de Hotelaria do Senac-SP, Márcia Harumi, os empregadores já buscam o Senac, por ser uma referência no setor. Sabem do diferencial no que diz respeito ao quadro de docentes atualizados com o mercado, infraestrutura moderna, com laboratórios específicos. Eles buscam alunos que apliquem o conceito de hospitalidade, que tenham uma visão empreendedora, conhecimento teórico e prático com vivência nos hotéis-escola, o que também é um diferencial do Senac. “Eles saem após a atuar na recepção, em restaurantes, controladoria, reservas, ou seja, saem compreendendo profundamente o processo de gestão de uma empresa, em seus diferentes níveis. Com esse perfil, há vagas abertas para alunos de hotelaria em praticamente todas as áreas”, completa.

No sistema Senac, a graduação em hotelaria é oferecida no Campus Santo Amaro, na capital paulista, em Campos do Jordão e Águas de São Pedro, ambos no interior do Estado. O curso de pós-graduação em Hotelaria Hospitalar está em reformulação para ser ofertado em 2011. Ainda de acordo com Márcia Harumi, esse interesse maior de outros nichos de mercado acabou também por despertar a necessidade de os próprios cursos reavaliarem a grade dos cursos, introduzindo práticas que estimulem atitudes mais empreendedoras e o desenvolvimento de projetos realmente inovadores, inclusive já com o foco além dos meios de hospedagem. E isso tem balizado os TCCs – trabalhos de conclusão de curso.

Somente formados pelo Centro Universitário Senac saem anualmente da graduação 180 futuros profissionais aptos a uma vaga no mercado.

Do petróleo à advocacia

Recentemente um jornal de grande circulação nacional destacou o potencial que o Pré-sal poderá representar para o ramo hoteleiro com a esperada abertura de 25 plataformas até 2020 para a Petrobras. Para esse campo estima-se que serão abertas centenas de vagas para cozinheiros, arrumadeiras e comissários e, consequentemente, para profissionais aptos a gerir a área de governança que abrigará esse contingente de prestadores de serviço, muito semelhante à de um meio de hospedagem. É a chamada Hotelaria marítima que surge para atendimento de restaurantes que deverão funcionar ininterruptamente com sete refeições diárias, gerenciar equipes e instalações como academia e piscina, por exemplo, e coordenar o check-in e traslado dos aeroportos para os que ficarão confinados nas plataformas de petróleo por longos períodos.

Outro exemplo inusitado vem da área jurídica. Há cerca de quatro anos, a TozziniFreire Advogados tem incluído profissionais do Turismo e da Hotelaria em seus quadros de contratação. Segundo Cláudia Meirelles, diretora de Desenvolvimento Humano e Organizacional da empresa, a busca pela personalização dos serviços oferecidos aos clientes estimulou a procura por esses profissionais. Porque, a rigor, poucos setores trabalham tão bem a questão do atendimento quanto a hotelaria até porque buscam, como mesmo fim, a satisfação e, consequentemente, a fidelização do cliente.

Na TozziniFreire trabalham hoje quatro profissionais da hotelaria e eles já são admitidos mesmo, não entram como estagiários. As atividades desempenhadas, segundo Cláudia, priorizam as que demandam atendimento direto com o cliente, externo e interno, porque a estrutura do escritório é enorme. São 355 advogados, incluindo 59 sócios, 180 estagiários, e outros 390 componentes do corpo administrativo, que se dividem entre sete escritórios – em São Paulo (com dois endereços), Rio de Janeiro, Brasília, Porto Alegre, Campinas e Nova York. “Também promovemos muitos eventos e treinamentos e geralmente essas são também funções às quais os profissionais de hotelaria e turismo estão bastante acostumados e assim temos tidos excelente retorno com esse mix de profissionais inseridos no quadro da nossa equipe”, conclui.

Deixe uma resposta