Amazonas

Diversidade natural e cultural atrai visitantes de todo o planeta

Com paisagens pitorescas, verdadeiras obras de arte da natureza, o estado do Amazonas encanta também pelas manifestações culturais e artísticas de um povo que vive cercado por rios, florestas, animais selvagens, gastronomia exótica e muita história.

Em meio aos seus 1.559. 161.682 quilômetros quadrados, o maior estado brasileiro possui 62 municípios e quase 3,5 milhões de habitantes, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) / Censo 2010. É lá que estão os pontos mais altos do Brasil, o Pico da Neblina e o 31 de Março com quase três mil metros de altitude.

Banhado pela bacia hidrográfica amazônica, que corresponde a 20% da água doce do planeta, o estado proporciona um verdadeiro espetáculo da natureza, quando dois de seus principais rios – Negro e Solimões – se encontram para formar o Rio Amazonas, internacionalmente reconhecido como o maior do mundo, com 6,3 mil quilômetros de curso.

O Amazonas é também o estado mais preservado do Brasil, com 98% de cobertura florestal original. Em uma das maiores áreas de conservação de mata tropical do planeta, a cidade de Tefé, a Reserva de Desenvolvimento Sustentável de Mamirauá é um dos ícones do ecoturismo. É possível realizar passeios guiados por ribeirinhos em canoas pelos rios ou por trilhas no meio da selva para a observação da flora e da fauna locais, como botos cor de rosa, jacarés e centenas de garças brancas em revoada.

Considerada o paraíso das cachoeiras, a cidade de Presidente Figueiredo está distante aproximadamente 100 km de Manaus. Foi fundada em 1982 e transformou-se em uma das principais referências do turismo de aventura no estado por possuir mais de 90 cachoeiras, inúmeras corredeiras e dezenas de cavernas, como a de Maroaga, ponto de visitação diária de turistas.

A gruta está localizada na rodovia que leva à Vila de Balbina, mas é preciso caminhar um bom tempo por uma trilha na mata até alcançá-la. Sua entrada possui mais de 30 metros de altura e um filete de água cristalina escorre filtrado pelos sedimentos e pelas raízes da vegetação. O lugar também é preferido pelos amantes do rapel e refúgio de animais como morcegos, répteis e muitos insetos bastante diferentes.

Atrações naturais e culturais

Um dos principais roteiros turísticos do Amazonas é o circuito de pesca esportiva, realizado na Bacia Amazônica. Exemplo de destino atraente para essa prática é a cidade de Barcelos, que fica a quase 500 km da capital, possui o maior arquipélago fluvial do mundo, o Mariuá, com mais de 1,2 mil ilhas – como a conhecida Ilha de Marajó, que ocupa área de 50 mil km2 e é composta por matas e campos, inúmeros rios, igarapés e praias que se formam nos estuários. Os campos naturais viram pasto no verão e pântanos nas épocas de chuvas.

No período dedicado à pesca esportiva, o fluxo de turistas nacionais e estrangeiros aumenta consideravelmente, segundo dados do departamento de Registro e Fiscalização (DRF) da Empresa Estadual de Turismo Amazonastur. Em 2010, o número de visitantes foi de 6.630 contra 6.027 do ano anterior. Em 2011, a modalidade turística deve atrair 7,2 mil turistas.

A exuberância das festas amazonenses também atrai milhares de turistas todos os anos. Um dos mais tradicionais é o Festival Folclórico de Parintins, realizado todos os anos sempre no final do mês de junho.

Por três noites, as equipes que são chamadas de bois representam os Bois – Garantido (vermelho) e Caprichoso (azul) – têm três horas para encenar a lenda do boi-bumbá com cantos e danças. As equipes são julgadas em 20 quesitos, como apresentação do Boi, da tribo e dos chefes indígenas, melhor música, alegorias, coreografias, entre outros.

Arquitetura e infraestrutura

Prédios históricos imponentes são marcas de uma época de realizações e grandes riquezas, o chamado Ciclo da Borracha, que teve o seu auge no final do século 19 e início do século 20. O período proporcionou uma grande expansão da colonização e atraiu riquezas, causando transformações culturais e sociais e impulsionando o desenvolvimento da capital do estado, Manaus.

Uma dessas construções icônicas é o Teatro Amazonas, patrimônio cultural arquitetônico do Estado inaugurado em 1896. Com capacidade para 700 pessoas, o prédio possui piso de madeiras nobres feito com técnicas de marchetaria, cadeiras de veludo vermelho e uma cúpula composta por 36 mil peças de escamas em cerâmica esmaltada e telhas vitrificadas vindas da Alsácia. O colorido original, em verde, azul e amarelo, é uma analogia à exuberância da bandeira brasileira de autoria de Lourenço Machado.

Única cidade da Região Norte que será sede da Copa em 2014, Manaus possui 20 hotéis de selva e barcos hotéis que totalizam cerca de 11 mil leitos, de acordo com o Amazonastur. A entidade prevê que até 2014, o parque hoteleiro da cidade receberá R$ 317 milhões em investimentos privados, o que deve aumentar a oferta de leitos para 16 mil.

Manaus é tida como a capital sustentável da Copa entre as 12 cidades-sede. Para fazer jus ao nome, vários projetos em andamento contemplam uma série de normas que visam à minimização dos impactos ambientais, como a construção da Arena da Amazônia.

Além do reaproveitamento de 95% dos resíduos de demolição do antigo estádio, a obra da Arena foi a primeira entre as cidades-sedes a obter certificação ISO 9001, de qualidade de normas técnicas, ISO 14001, de atestado de qualidade de meio ambiente e a OHSAS 18001, que trata do sistema de gestão nas éreas de saúde e segurança ocupacional.

“Estamos agora na busca pela certificação Leed (Liderança em Energia e Design Ambiental), a ser concedido pelo Green Building Council”, explica Sigrid Epifanio, assessora da Unidade Gestora da Copa (UGP) do Amazonas.

Estão previstos ainda projetos de mobilidade urbana, como o monotrilho, um sistema de transporte de massa que deve beneficiar 170 mil pessoas por dia, e o Bus Rapid Transit (BRT), que até o fechamento desta edição encontrava-se em processo de licitação.

Segundo Sigrid, considerando a Arena, o Monotrilho, o BRT, a reforma do aeroporto, a construção de hotéis e de do porto, os investimentos devem chegar a R$ 3 bilhões. “Os benefícios da Copa para o Estado serão muitos, a começar pela visibilidade internacional, o que potencializará o turismo, os investimentos em infraestrutura e mobilidade urbana, e ampliará significativamente a dinâmica econômica do estado”, completa.

Deixe uma resposta