2021: o ano do ecoturismo

Por Pedro Lira

Escrevo esse artigo enquanto observo os coqueiros, vejo o mar e sinto a brisa do vento na praia de São Miguel dos Milagres, em Alagoas. Me conecto com a natureza à minha volta e estendo esse vínculo ao experienciar a culinária e cultura locais na companhia de pessoas muito queridas.

Aqui, praticamente isolados no paraíso, nos sentimos seguros e com a alma plena nessa época tão complexa em que vivemos. Esse momento reflete muito para mim do que serão as perspectivas do Turismo para este ano.

Dois mil e vinte nos fez aprender que podemos trabalhar online, concluir que nem todas as reuniões devem ser presenciais e refletir sobre o que mais precisamos nos dias atuais. Para muitos, o momento pede estar com as pessoas próximas, ter uma sensação de espaço e liberdade e conectar-se com a natureza.

O ano também afetou muitos setores da economia e o Turismo foi um dos mais impactados em 2020. A recuperação em 2021 depende de superarmos a crise sanitária na qual estamos vivendo.

Entretanto, o Brasil ainda não tem um plano de vacinação claro. Estamos diante de um cenário muito provável de extensão da doença por boa parte de 2021. Além das restrições impostas pela pandemia às viagens, cabe destacar o quanto a nossa moeda se desvalorizou, inibindo ainda mais viagens ao exterior.

Por aqui, temos trabalhado com planejamento e projetos relacionados ao turismo no Brasil e no exterior, e temos percebido o quanto os fatos acima mencionados têm impactado e direcionado novos investimentos no setor.

Considerando todos esses elementos, nossa leitura é que o turismo de negócios, o turismo urbano e as viagens ao exterior ainda terão um 2021 difícil e de recuperação lenta.

Muito mais positivas se apresentam as perspectivas para o turismo regional e o associado à natureza, que deverão seguir uma tendência de demanda mais destacável, conforme visto na quarentena, ainda que esta se acomode um pouco à medida que a vida nas cidades retorne ao seu normal.

Devemos enxergar o momento como oportunidade para o desenvolvimento de um turismo sustentável e socialmente inclusivo no qual o potencial dos recursos naturais do nosso País esteja associado ao nosso crescimento socioeconômico por meio do ecoturismo.

Pedro Lira é arquiteto, urbanista e sócio do escritório Natureza Urbana. Formado pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), representa o Brasil na World Urban Parks (WUP), organização internacional para parques urbanos e espaços públicos. É também consultor do United Nation Office for Planning Services (UNOPS), que visa a construção de países sustentáveis para melhorar a vida das pessoas.

Deixe uma resposta